O legado da família Koeman no futebol holandês

Muitas famílias holandesas ficaram conhecidas no mundo do futebol. Depois de René e Willy van Kerkhof e antes de Frank e Ronald De Boer, dois membros da linhagem dos Koeman escreveram seus nomes com a camisa da Laranja Mecânica. Campeões da Europa em 1988, Erwin e Ronald participaram do único titulo da seleção holandesa.

Continue lendo “O legado da família Koeman no futebol holandês”

Os gols de Bergkamp podem fazer qualquer pessoa gostar de futebol

Nasceu em Amsterdã um homem que sobreviverá aos tempos como um dos grandes artilheiros e, porque não, um legítimo artista da bola. Autor de gols magníficos e com imenso grau de dificuldade, o holandês Dennis Bergkamp é o que qualquer centroavante gostaria de ser, mas não conseguiu.

Continue lendo “Os gols de Bergkamp podem fazer qualquer pessoa gostar de futebol”

[Yahoo] A Holanda corre sério risco de ficar de fora da Copa do Mundo

holanda-x-franca

Geração mais fraca que a anterior e sem estrelas leva a Holanda a mais uma fase malsucedida. Quando não pode contar com Robben e Sneijder, Laranja é só mais um time comum na Europa. Cenário desanimador pode culminar em outra ausência na Copa do Mundo, o que não acontece desde 2002 para os holandeses.

Leia no Yahoo >>>>

Da chacota à vitória: A história da Holanda dos anos 80, parte final

Gullit taça euro

Final da série sobre a Holanda nos anos 1980 reflete a decisão contra a União Soviética, o primeiro título da seleção de Rinus Michels e o que aconteceu após a disputa da Euro 1988.

Continue lendo “Da chacota à vitória: A história da Holanda dos anos 80, parte final”

Da chacota à vitória: A história da Holanda dos anos 80, parte II

Fußball-EM '88: Europameister Niederlande

Continuação do especial sobre a Holanda mostra como a seleção de Rinus Michels arrancou de uma derrota na estreia da Euro até a conquista histórica diante da União Soviética. O foco desta parte é no clássico contra a Alemanha, um ato de vingança para o povo holandês.

Continue lendo “Da chacota à vitória: A história da Holanda dos anos 80, parte II”

Da chacota à vitória: A história da Holanda dos anos 80, parte I

Holanda 1983

Série contada por Caio Bitencourt mostra como a Holanda se remontou após fiascos na transição da geração dos anos 1970 para a década de 80. Fora das Copas de 1982 e 86, a Laranja voltou forte para levar a Euro 1988.

Continue lendo “Da chacota à vitória: A história da Holanda dos anos 80, parte I”

Recusado por Arsenal e Ipswich, Gullit mostrou por que era um craque

Quando ainda nem ostentava um rastafari e um bigode de respeito, o meia Ruud Gullit era disputado a tapas pelos clubes holandeses no início da década de 1980. Era um jovem de 20 anos, com todo potencial para ser grande, despontando pelo modestíssimo Haarlem, miúdo holandês. O futuro craque teve a chance de jogar no futebol inglês em 1982, mas foi subestimado por Arsenal e Ipswich. Eles iriam se arrepender disso anos depois.

Continue lendo “Recusado por Arsenal e Ipswich, Gullit mostrou por que era um craque”

Os atos de rebeldia que fizeram Cruyff ser o maior astro do seu tempo

Johan Cruyff foi incontestavelmente um dos maiores gênios da história do futebol. Responsável pela entrada do futebol holandês no roteiro dos grandes do planeta, o ex-meia acumulou episódios de rebeldia ao longo da sua carreira. Era um jogador problemático e seus dramas eram proporcionais à sua capacidade de vencer partidas.

Continue lendo “Os atos de rebeldia que fizeram Cruyff ser o maior astro do seu tempo”

A Copa que se foi, parte I: A valentia que não se mede

Ainda vou fazer um texto só pra falar da Alemanha campeã do mundo, aproveitando os dias de folga que tenho pela frente. Mas por agora, nessa semana, só vou conseguir pensar que já se foi. Ela se foi, ela, tão linda e empolgante, a Copa do Mundo. A melhor que vi desde 1998, já que em 1994 não há muito o que se lembrar devido aos meus 24 anos. E é com a ajuda dos meus diários daqui que eu vou recapitular uma história que poderia (se depender de mim, irá) virar livro.

Continue lendo “A Copa que se foi, parte I: A valentia que não se mede”

Coisas que só o sexto sentido pode explicar

Comecei o dia sabendo que a Argentina venceria a Holanda, mesmo que nos pênaltis. Comecei o dia sabendo que toda aquela empáfia holandesa desde a goleada contra a Espanha seria punida por uma atuação medrosa diante de um time que não tem o que perder. Quase foi a Costa Rica a derrubar a Laranja Mecânica. Calhou de ser a valente e limitada Argentina de Lionel Messi e Alejandro Sabella. Ao menos teremos uma grande história a contar nessa semifinal, além do vexame brasileiro.

Continue lendo “Coisas que só o sexto sentido pode explicar”