O novo Maradona que quer se consolidar como técnico nos Emirados Árabes

Diego Maradona está de volta. Depois de uma rápida passagem pelo Al-Wasl, dos Emirados Árabes, em 2012, o argentino retoma o posto de técnico. A nova empreitada do Pibe será na segunda divisão dos EAU, com o Al Fujairah.

Continue lendo “O novo Maradona que quer se consolidar como técnico nos Emirados Árabes”

Marzolini, um ídolo que atravessou as décadas pelo Boca Juniors

Considerado o maior lateral-esquerdo da história do futebol argentino, Silvio Marzolini se transformou rapidamente em ídolo no Boca Juniors. Como atleta e depois treinador, conquistou muitos títulos e viu do banco de reservas o nascimento de um gênio como Diego Maradona.

Continue lendo “Marzolini, um ídolo que atravessou as décadas pelo Boca Juniors”

Os dois jogaços que consagraram o Napoli como campeão da Copa Uefa

Depois da glória dentro da Itália, Diego Maradona liderou o Napoli ao título da Copa Uefa em 1989. Foram duas batalhas memoráveis contra o Stuttgart antes da consagração de um trio estrangeiro que deixou saudades no San Paolo.

Continue lendo “Os dois jogaços que consagraram o Napoli como campeão da Copa Uefa”

Magico Gonzalez: Entre o prazer e as obrigações de um futebolista

Pergunte por Jorge Gonzalez e poucas pessoas saberão o que responder. Pergunte a Diego Maradona e ele lhe responderá que El Magico foi dos maiores jogadores que ele já viu jogar. Ainda que se desconte toda a grandiloquência que “El Diez” reserva a seus favoritos, em uma rápida pesquisa encontraremos apenas espanhóis e salvadorenhos fazendo eco sobre o talento de “El Mágico Gonzalez”.

Continue lendo “Magico Gonzalez: Entre o prazer e as obrigações de um futebolista”

Musica para craque, a playlist definitiva

Maradona

Segunda edição da nossa playlist reúne apenas hits que homenageiam craques do futebol mundial. Valem todos os estilos possíveis, desde que tragam o nome do jogador no título da faixa. Separe seus fones de ouvido.

Continue lendo “Musica para craque, a playlist definitiva”

A maldição de Hugo, o Maradona caçula que não brilhou

Foto: Old School Panini
Foto: Old School Panini

Diego Armando Maradona é com folgas o maior jogador que já passou pelo Napoli. Em um tempo rico de craques no futebol italiano, o argentino impulsionou a contratação de seu irmão pelo Ascoli. Apesar de ter traços semelhantes ao do irmão famoso, Hugo Hernán não teve 1% do sucesso de Diego. E é dele que tratamos neste post.

Continue lendo “A maldição de Hugo, o Maradona caçula que não brilhou”

O carrinho em Maradona que fez o nome de Cannavaro no Napoli

Foto: Getty Images
Foto: Getty Images

Quem vê os sorrisos de Fabio Cannavaro ao segurar a taça da Copa do Mundo ou posar para campanhas de publicidade, mal sabe o duro que o menino de Nápoles deu para conseguir seu espaço no futebol. Antes de se tornar profissional pela equipe de sua cidade, o capitão do tetra italiano resolveu ousar contra o maior craque da história de seu time: Diego Maradona.

Continue lendo “O carrinho em Maradona que fez o nome de Cannavaro no Napoli”

Quando Caniggia foi o último jogador a entrar no lugar de Maradona

Se tem uma coisa que os argentinos são bons além do futebol é o drama. O drama, característica notável do principal estilo de música do país, o tango, esteve presente durante grande parte da carreira de Diego Maradona, para muitos, o maior gênio que vestiu a camisa da Albiceleste. E em sua última dança, Diego não teve muita felicidade como camisa 10 do Boca Juniors.

Continue lendo “Quando Caniggia foi o último jogador a entrar no lugar de Maradona”

Mancuso, o valentão incompreendido

Era preciso ser viril para triunfar na posição de volante nos anos 1990. Aquela década não costumava exigir grande qualidade de atletas da posição, o que fazia com que grandes brucutus se consolidassem no futebol à base dos pontapés, chutões e da marcação incansável. Tivemos inúmeros jogadores pouco técnicos que ganharam espaço em times grandes brasileiros. Um deles é Alejandro Mancuso, argentino que foi revelado no Ferro Carril, com passagens por Vélez Sarsfield e Boca Juniors.

Continue lendo “Mancuso, o valentão incompreendido”

Bochini, à sombra dos grandes craques argentinos

Com cinco minutos restantes na semifinal da Copa de 1986 contra a Bélgica, então vencida pela Argentina por 2–0, Ricardo Bochini entrou na vaga de Jorge Burruchaga. Ele estava com 32 anos e foi esquecido pelas seleções de 1978 e 82. Naquele momento, no entanto, Maradona exigiu que ele fosse convocado. Estes cinco minutos seriam os únicos de Bochini em Copas do Mundo. Enquanto ele vinha correndo para dentro do campo, Maradona veio a seu encontro e apertou a sua mão. “Maestro, estivemos esperando por você”. (The Guardian, sobre a breve atuação do meia em Copas)

Continue lendo “Bochini, à sombra dos grandes craques argentinos”