O primeiro clube campeão da Alemanha quase foi um tcheco

Um clube tcheco se inscreveu para a disputa da primeira liga de futebol na Alemanha, em 1903. A saga durou apenas um jogo, justamente a decisão contra o VfB Leipzig. A goleada na final impediu uma bizarrice histórica por parte do DFC Prag.

Há alguns meses, contamos aqui a história do Rapid Viena, que se sagrou campeão alemão durante o Terceiro Reich. Mas analisando toda a história da tradicional competição da era pré-Bundesliga, uma outra eventualidade chama a atenção. Na primeiríssima edição do Campeonato Alemão, em 1903, a final colocou frente a frente o VfB Leipzig e o DFC Prag. Inicialmente, pode-se pensar que não há nada de estranho entre eles. Mas o Prag era um representante tcheco na competição.

Antes de esclarecer este fato, é preciso certo contexto. O ano é 1891. Em Praga, na região da Boêmia, integrante do Império Austro-Húngaro, um grupo de alemães judeus fundou um clube de regatas para disputar competições de modalidades náuticas. Eles estudavam na Universidade Carolina de Praga. Cinco anos depois, surgiu a necessidade de expandir e entrar de vez no mundo de futebol. Nascia naquele momento o DFC Prag, no solo da Boêmia.

Durante o período do Império Austro-Húngaro, era comum que clubes disputassem outros torneios nacionais. Essa abertura permitia que tchecos, húngaros, austríacos e alemães se enfrentassem regularmente por competições regionais. Em 1900, representantes de 86 agremiações fundaram a Confederação Alemã de Futebol (DFB). Entre eles, estava o DFC Prag, considerado alemão pelos dirigentes.

A importância do Prag para a DFB era imensa. O seu presidente, Ferdinand Hueppe, acabou sendo eleito como o primeiro mandatário da federação. Outros clubes fundados dentro dos limites do Império Austro-Húngaro e nas fronteiras com a Alemanha também podiam se inscrever para as competições locais. Não foi o caso dos dinamarqueses da Prússia, por exemplo. Eles se recusaram a fazer parte da estrutura da DFB.

Dentro de seu país, o Prag já tinha certa relevância antes mesmo de entrar no século XX. Campeão nacional em 1896, parecia pronto para encarar desafios além da fronteira. Foi aí que surgiu a primeira competição em caráter nacional na Alemanha. Antes disso, os clubes se enfrentavam apenas regionalmente, divididos em várias ligas. O que a DFB fez foi unificar todas elas em torno de um só campeonato. Sendo assim, cada campeão regional (mais de trinta) era credenciado a disputar a fase final.

A luta pela Viktoria

A imponente Viktoria (A deusa da Vitória) representava o prêmio máximo do futebol alemão em 1903. O troféu parou de circular em 1944

O problema é que em 1903, para a primeira edição, apenas seis dos trinta concorrentes previstos disputaram o nacional. Entraram: Prag, Altonaer, Victoria Magdeburg, Leipzig, Britannia Berlin e Karlsruher FV (não confundir com o Karlsruher que revelou Oliver Kahn). O formato era simples e de mata-mata: os seis se enfrentavam em jogos simples eliminatórios, até a decisão.

Por duas vezes, o confronto entre Prag e Karlsruher foi adiado. A primeira, em Munique, teve protestos dos tchecos. Eles esperavam ter maior receita de bilheteria jogando em casa, não na cidade alemã. Os adversários, no entanto, se recusaram a viajar até Praga. Como os outros semifinalistas (Leipzig e Altonaer) já estavam definidos, a DFB optou por classificar ambos para a fase seguinte.

O que os dirigentes germânicos não contavam é que houvesse nova divergência em relação ao local da partida. A ideia era que Leipzig recebesse o confronto, valendo vaga na final. Mas um estranho caso de sabotagem fez com que o Karlsruher desistisse. Um telegrama sem endereço chegou ao conhecimento do Leipzig. Nele, supostos dirigentes da DFB diziam que o encontro havia sido cancelado, o que fez com que a delegação nem sequer colocasse os pés em Leipzig. Desta forma, o Karlsruher deu W.O e acabou eliminado do torneio, sem pisar no campo por duas fases diferentes.

Beneficiado por esta suspeita falha de comunicação, o Prag foi para Hamburgo disputar o troféu Viktoria, contra o Leipzig, em 31 de maio de 1903. Na véspera, os jogadores da agremiação tcheca visitaram um pub hamburguês e exageraram na dose. Muitos deles passaram mal durante a noite. O restante apareceu sem condições ideais de jogo para a final no estádio Exerzierplatz.

Mesmo abrindo o placar aos 22 minutos, o Prag não conseguiu sustentar sua vantagem e lentamente perdeu o controle. O Leipzig empatou ainda no primeiro tempo e foi buscar a virada após o intervalo. Em cinco minutos, marcou mais duas vezes, ampliando. Meyer, que já havia marcado o primeiro dos visitantes, diminuiu aos 65. E foi tudo que os tchecos conseguiram naquela tarde. Atropelados pelo Leipzig, sofreram mais quatro tentos até o apito final, com dobradinhas de Riso e Stanischweski: um sonoro 7 a 2, consolidando uma grande atuação dos alemães.

O placar foi justo de alguma forma. Como o Prag sequer jogou nas fases preliminares do nacional e ainda se embebedou na véspera, os sete gols do Leipzig foram um belo balde de água fria nos rapazes que foram para Hamburgo fazer história. E de alguma forma fizeram, mesmo sem o título.

O tapetão do Karlsruher

Curiosamente, em 1904, o campeonato estava na final quando foi abandonado pela Federação. Um clube foi o pivô da anulação: o Karlsruher, que pedia sede neutra para todos os confrontos da fase final, por não ter verba para realizar as viagens. O único jogo deles na competição foi nas quartas de final, contra o Britannia Berlin, com placar de 6 a 1 para os berlinenses.

Dias antes da final entre Leipzig e Britannia, o Karlsruher conseguiu o que queria e a edição daquele ano do Alemão foi cancelada sem conhecer seu campeão, pois a DFB havia quebrado o próprio regulamento ao permitir que os mandantes pudessem jogar partidas eliminatórias em seus próprios estádios. A decisão, ainda que por questões financeiras, serviu de base para o tapetão do Karlsruher.

Dissolução e renascimento

Refundado em 2016 como equipe juvenil, o Prag busca recuperar seu prestígio nacional e mira o profissionalismo dentro de alguns anos

Em relação ao Prag, 1903 foi o primeiro e único ano em que eles disputaram o nacional entre os alemães. Com o registro da DFB na Fifa, a federação ficou proibida de inscrever clubes fora do seu território em competições oficiais.

A partir dos anos 30, a discriminação e a perseguição do Terceiro Reich resultou em segregação e exclusão de clubes formados por judeus como o Prag. Eles foram perseguidos e impedidos de participar de eventos oficiais da DFB e outros países anexados pelas forças de Hitler.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *