O grande Rapid Viena campeão alemão durante o Terceiro Reich

Durante o Terceiro Reich, um clube austríaco rompeu a hegemonia dos alemães para ficar com o título nacional. Em decisão apertada contra o temível Schalke, o Rapid Viena conseguiu uma façanha poucas vezes vista no futebol mundial: ser campeão de uma liga doméstica em outro país que não o seu.

Em 1933, Adolf Hitler se tornou chanceler da Alemanha e deu início a um período de rompimento da democracia vigente. A República, estabelecida em 1919, dava lugar a um governo que se baseou em um estado de emergência para aprovar decretos sem necessidade de aprovação parlamentar.

Apontado pelo presidente Paul von Hindemburg como chanceler, Hitler e seu partido nazista perseguiram inimigos políticos e finalmente assumiram o poder do país em 1934, com a morte de von Hindemburg. O regime totalitário pregado pelos nazis rapidamente exerceu domínio total sobre a população alemã.

Pior que isso: o Terceiro Reich liderado por Hitler conseguiu seguidores para ampliar sua doutrina e, com isso, criou-se a ideia de que a Alemanha era uma nação superior -dentro do conceito de raça ariana- e que deveria iniciar processo de expansão dentro da região do leste europeu, usando força bélica para este fim.

Neste contexto, a Áustria se encontrava em transição. Antes parte do Império Austro-Húngaro, mas com uma sociedade próspera e com diversidade cultural, o país começou a enfrentar sérios problemas internos quando o partido nazista venceu as eleições de 1932 e quis tomar por completo o cenário político local. Um ator fundamental para esta mudança de cenário foi  o chanceler social cristão Engelbert Dollfuss. A tendência fascista de Dollfuss dividiu o povo e a democracia sangrou em solo austríaco.

Batalhas armadas entre a polícia e os militantes da filosofia social-democrata assolaram o território austríaco e Dollfuss eventualmente foi assassinado em 1934 por nazistas que buscavam um golpe de Estado. A tentativa falhou e o governo sucessor propôs uma trégua com Hitler e o partido nazista germânico, anistiando crimes em troca de uma não-intervenção alemã na crise vizinha. Meses depois, sem controle algum, a Áustria acabou invadida pelo exército alemão, que colocou um novo chanceler no posto. Começava o período conhecido como Anschluss, a anexação austríaca ao território da Alemanha.

O campeão infiltrado

O time do Rapid de 1939, que venceu a Tschammer-Pokal, a antiga Copa da Alemanha

Em 1938, portanto no primeiro ano dos clubes austríacos disputando competições alemãs, o Rapid Viena manteve sua grande forma para ser campeão da Tschammer-Pokal, o antigo formato da Copa da Alemanha. Donos de uma formação ofensiva no 2-3-5, algo comum para a época, os alviverdes derrotaram o Frankfurt por 3-1 em Berlim para ficar com a taça do torneio. Cinco anos mais tarde, em 1943, outro austríaco experimentou da glória na competição: o First Vienna derrotou a divisão militar de Hamburgo na final.

Na época, os clubes austríacos se dividiram nacionalmente em uma competição chamada Gauliga Ostmark. Os vinte vencedores das regiões pertencentes à Áustria se juntavam aos playoffs da Liga Alemã. Foi o caso do Rapid, que em 1941, dominou o cenário austríaco e tinha força suficiente para se infiltrar entre os concorrentes na Alemanha.

O adversário na final foi duro: o Schalke, que estava varrendo o país com cinco títulos em sete decisões anteriores, além de caminhar para o tricampeonato consecutivo. Em 1939, a equipe de Gelsenkirschen pegou o Admira Viena e enfiou 9-0 na decisão. Por outro lado, o clima em 1941 era diferente e favorecia o ótimo futebol do Rapid.

Até a final, o Rapid superou o grupo 4 com 1860 Munique, Stuttgart Kickers e o Neckarau, liderando a chave e avançando para a semifinal. Depois, os austríacos eliminaram o Dresdner vencendo por 2-1. O passaporte para Berlim estava garantido. Diante de 95 mil pessoas e amplo público nazista no Olímpico, a agremiação vienense conseguiu uma façanha rara em 22 de junho de 1941, dia marcado nas páginas da humanidade como o início da Operação Barbarossa, a invasão alemã ao território da União Soviética.

Heinz Hinz (2x) e Hermann Eppenhoff fizeram 3-0 para o Schalke e uma nova goleada se aproximava. A torcida local estava encantada com a facilidade com que os alemães castigavam os visitantes. Entretanto, a partir do momento em que o relógio marcou 15 minutos da segunda etapa, não ficou pedra sobre pedra.

O Rapid resolveu acordar e deu o troco, surrando o Schalke e virando o placar em 11 minutos, com Georg Schors e Franz Binder, que anotou três gols e fechou a conta. Restando pouco mais de 20 minutos para o apito final, o Schalke estava atônito e sem reação. A comemoração alviverde pela reviravolta foi um duro golpe na autoestima alemã, pois na maior competição de clubes do país, o vencedor era um austríaco, superando a grande potência local.

O futebol da Áustria deixou de fazer parte da estrutura vizinha em 1945, com o colapso da Alemanha Nazista. Teorias da conspiração no século passado diziam que o time todo do Rapid foi fuzilado após a vitória contra o Schalke, mas o departamento de História do clube negou em 2009 o fato, por não encontrar provas que sustentassem a versão.

Logo no ano seguinte à saída dos clubes austríacos, em 1946, o Rapid era campeão nacional de novo. Foi o reinício de uma potência do país. Até hoje, os alviverdes são os maiores vencedores da Liga Austríaca, com 32 títulos, oito a mais do que o rival Austria Viena.

Um pensamento em “O grande Rapid Viena campeão alemão durante o Terceiro Reich”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *