As camisas que abrilhantam o clássico entre Schalke e Dortmund

Na manhã de sábado, o clássico do Vale do Ruhr ganha mais um capítulo. Em casa, o Schalke recebe o Dortmund na Veltins Arena e quer atrapalhar o plano dos aurinegros, na perseguição ao RB Leipzig. Aos azuis-reais, só a vitória importa, para ficar em segurança no meio da tabela. A Sexta das Camisas está toda alemã nesta edição.

Schalke

1976-77: Começamos a lista azul-real com um clássico. Feita pela Adidas, esta camisa setentista é tão simples que parece uniforme de time universitário. O nome do clube ao peito é uma marca do futebol alemão naquela década, onde as equipes preferiam não utilizar os escudos. E engraçado notar pela foto que algumas camisas traziam o “trefoil” da adidas, outras não, além do próprio nome do Schalke não ser padronizado. Vemos alguns jogadores de SCHALKE, outros de Schalke 04, uma beleza.

1996-97: A camisa que foi campeã da Copa Uefa diante da Inter. Liderado por Marc Wilmots, o Schalke vestia este belo exemplar com as três listras da Adidas no canto direito do peito. A versão do uniforme toda em azul é melhor ainda do que a com calções brancos.

2011-12: A camisa usada por Raúl em sua chegada ao clube. “Señor Gol”, como era chamado pela torcida, o espanhol foi crucial na grande fase que o Schalke viveu no começo da década. Essa gola é bem interessante.

2011-12: O terceiro uniforme da temporada também era bem interessante. Azul-marinho bem escuro e com detalhes em celeste. Também vestida por Raúl naquele ano.

2013-14: Draxler encantou a Alemanha com o seu futebol. E o Schalke também estava bem elegante em 2013-14 com este terceiro fardamento. O verde bem claro chamava bastante a atenção. Foi a primeira vez que eles usaram este tom, um tiro certeiro.

Borussia Dortmund

1985-86: Toda lista precisa de um clássico. Esse aqui é indispensável. Principalmente pelo conjunto uniforme e cabelos. Inclusive com várias possibilidades de entrar no nosso acervo de mullets oitentistas na Alemanha. O time foi uma porcaria, mas ao menos estava bem vestido.

1993-94: Pulamos para 1993, quando a Nike já desenvolvia uniformes meio extravagantes para os clubes. Este aqui merece atenção por não fazer muito sentido, mas mesmo assim ter ficado interessante. As cores da camisa do Dortmund são muito fáceis de se combinar, difícil é fazer uma peça feia com isso em mãos.

1996-97: Não há como deixar a camisa campeã europeia de fora. É linda, não tem bizarrices e vestiu um timaço que se vingou da Juventus pela derrota na Copa Uefa em 1993. Essa aí precisa estar na sua coleção.

2001-02: Sorrisos. Amoroso, Rosicky. No canto do cisne de sua geração noventista, o Dortmund foi obrigado a fabricar camisas próprias após romper contrato com a Nike. A Goool, marca escolhida para batizar a coleção não fez feio. Mandou muito bem nessa camisa aí, de 2001-02. Clássica e estilosa. Isso, agora abraça o amiguinho.

2012-13: Na Era Jürgen Klopp, foi difícil escolher uma camisa só. Mas ficamos com esta aqui, usada na campanha da Liga dos Campeões. A única coisa que estraga a composição quase “peñarolesca” é o patrocínio em roxo. Aliás, o único defeito das camisas do clube desde que usa a marca da Evonik nos uniformes. Até quando?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *