Não conseguir contratar um craque não é vexame, mas o Corinthians se superou

A recusa de Didier Drogba ao Corinthians é perfeitamente normal. Mas o auê da imprensa e as barrigadas sobre o acerto do marfinense com o clube paulista tornaram a novela em uma comédia pastelão e um prato cheio para os rivais. Postura do Timão foi péssima mesmo após o encerramento das conversas.

Desde que perdeu grande parte de seu elenco ao fim da temporada 2015, o Corinthians vem tentando se reerguer. Contratações discretas, trocas de comando e outros desfalques ajudaram a derrubar a confiança da torcida em novos e bons tempos. Eis que no início de 2017, uma chance de ouro apareceu para resgatar este prestígio: a contratação do atacante veterano Didier Drogba, um astro internacional que poderia chegar e fazer do Timão uma potência de marketing, assim como aconteceu com Ronaldo, em 2008.

Entretanto, a empolgação da imprensa e as notícias de que um acerto estava bem encaminhado foram um verdadeiro tiro no pé. Primeiro porque o clube nunca esteve de fato próximo de um acordo. Segundo que não havia um projeto grande e consistente para convencer Drogba a vir para o Brasil. Isso é perfeitamente comum. Acertar com um craque internacional requer uma série de esforços a mais, não só financeiramente falando. E não há problema nenhum em não conseguir fisgar um peixe grande.

O elemento vergonhoso de toda essa história não é nem a insistência em convencer Didier tornada pública. É se sujeitar e se arrastar por milhas e milhas para conseguir a assinatura de um jogador de 38 anos, quase 39. O Corinthians não está desesperado a este ponto. A diretoria que deixou vazar a negociação e que se mostrou otimista com o sim de Drogba desde o começo é que colaborou para que a situação virasse piada. Houve até quem expusesse camisas do time com o nome do atacante marfinense, pegando embalo na onda. Sabemos que esse tipo de ação só é aconselhável quando já se tem algo concreto, mas ainda assim, este lojista ficará para a história por vender (será que vendeu?) uma camisa do Corinthians que jamais existiu.

A cada notícia de “Drogba aceita salários e fica próximo do Corinthians“, um pedaço da torcida comemorava a chegada de um novo craque, enquanto os mais céticos esperavam a confirmação para festejar. Outros se posicionaram contra o negócio por avaliar que o veterano não teria condições de brilhar no futebol brasileiro nesta altura de sua carreira. Por mais que o próprio Corinthians jamais tivesse entrado no oba-oba publicamente, a imagem sai arranhada.

Quem cravou que Drogba vestiria o manto alvinegro perdeu credibilidade. Não é a primeira vez que vemos algo deste tipo. Ronaldinho no Grêmio, Seedorf no Corinthians, quem não se lembra do icônico tweet do Craque Neto? O clube estava seguindo um caminho normal para quem não conseguiu seu objetivo, mas uma nota oficial emitida na última terça-feira terminou de vez com o restinho de moral que a gestão Roberto de Andrade ainda possuía. Se o não já era frustrante o suficiente, a declaração do presidente corintiano fez com que muitos torcedores quisessem sumir por algum tempo.

De longe, o trecho mais valioso como peça de humor é este: “Agradecemos o atleta pela atenção dada neste período e temos certeza de que ganhamos o carinho de mais um fiel torcedor“, levando o vexame a níveis nunca antes vistos. Se você já levou um fora de alguém na vida, sabe que a última coisa a se fazer é falar disso publicamente. Ninguém gosta de ser achincalhado por ter falhado. Aparentemente, Roberto de Andrade desconhece o conceito de autoestima para ter preparado um texto neste tom.

O mínimo que Drogba podia ter feito era responder se tinha ou não o desejo de jogar no Brasil. Diante da negativa, os sagazes diretores corintianos resolveram mais uma vez tentar ganhar prestígio às custas do craque, embora este jamais tenha deixado claro que aceitaria a proposta neste momento. O demérito todo da trama não reside na resposta em si, mas na postura deprimente de agradecer e ainda dizer que Didier virou “mais um louco no bando“.

Pode ser que, no futuro, antes de Drogba pendurar as chuteiras, haja uma mudança de pensamento e ele de fato acerte com o Corinthians. Mas até lá, a vergonha pelo fora vai ecoar pelos lados do Parque São Jorge. Nenhum corintiano tem culpa pela transação não ter dado certo, que fique claro. Tem culpa de fato quem saiu disparando aos quatro ventos que Didier estava a apenas alguns detalhes de ser oficializado como jogador do Corinthians. Para cada Seedorf no Botafogo, temos 10 Anelkas no Atlético Mineiro. Ficamos no aguardo do próximo, se por um acaso a lição não tiver sido tomada pelos outros clubes brasileiros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *