O West Ham foi obrigado a ceder Payet ao Marselha por pura birra

Payet foi reapresentado ao Marselha após longa novela pelo West Ham. Francês forçou a saída do clube inglês para voltar ao seu país e irritou a torcida dos Hammers. Até onde um ídolo pode pisar nos seus fãs sem perder seu status?

Independente do que aconteça, a transferência de Dimitri Payet para o Marselha já é a grande história desta janela de inverno na Europa. Valorizado pelo que fez na temporada passada com a camisa do West Ham e da França, o meia forçou a sua saída dos Hammers e acabou sendo vendido completamente contra a vontade do clube, que até planejava cedê-lo no meio do ano.

LEIA TAMBÉM: A briga entre Payet e West Ham não terá final feliz

Antes de oficializar seu retorno ao clube marselhense, Payet passou por poucas e boas. Alegando que sua família não estava bem em Londres e queria voltar para a França, o atleta avisou ao técnico Slaven Bilic e à diretoria que o Marselha estava o sondando e que uma mudança seria bem vinda.

Em uma situação normal e bem conduzida, o clube reconheceria o desejo do jogador e tentaria negociá-lo em um momento mais apropriado. Sim, mais apropriado porque o West Ham acaba de recuperar o fôlego após um turbulento primeiro turno lutando contra o rebaixamento. Agora os londrinos ocupam a décima posição na classificação, bem longe do drama, mas ainda falta muito para que deixemos de considerar a temporada deles como um fiasco, diante de tantos reforços contratados.

Payet era a grande estrela do elenco e isso ninguém nega. Quando o atleta deixou claro seu desejo de sair do clube, é óbvio que muita gente ficou chateada, incluindo Bilic, que sabia que perderia seu maior talento. Na primeira recusa do West Ham, a situação ficou ruim. Quer dizer, existem muitos fatores que contam na satisfação de um jogador. Salários, ambiente, fase do time, entre outras coisas. Payet quis trazer tudo isso à tona para convencer a diretoria de que queria ser vendido. De uma hora para a outra, como o craque e maior ídolo da torcida vira o vilão que quer largar tudo e ir embora?

O jogador tem o direito de buscar o que for melhor para a sua vida pessoal, não é como a discussão a respeito dos craques que optam em ir para a China em plena flor da idade. Payet pode até ser respeitado em Marselha pelo seu esforço em voltar ao time, mas de forma alguma será perdoado pela família que contempla o West Ham por forçar completamente uma situação como fez. Se recusar a treinar e jogar enquanto não era negociado é uma postura deveras infantil por parte de Dimitri. Em suma, foi uma puta sacanagem com quem paga seus salários.

A postura de Payet não foi só encarada como uma ofensa pelos torcedores. A diretoria não quis reintegrá-lo ao elenco porque os outros jogadores não aceitavam mais ter o francês de volta. Com poucas atitudes, Dimitri tornou sua vida insustentável dentro dos vestiários. A chantagem barata do “não vão me vender, então também não jogo” pegou mal demais e o mesmo cara que era homenageado com músicas entre bolhinhas de sabão é o que sai com pecha de traidor e birrento.

A negociação foi concluída bem abaixo das 30 milhões de libras exigidas pelo West Ham, mas diante de todo o circo armado pelo jogador, é melhor do que perder um craque e ficar de mãos vazias. Já apresentado aos franceses, Dimitri gastou sorrisos amarelos nas fotos oficiais e obviamente se sentiu aliviado por conseguir o que queria após tanto protestar e bater o pé.

Assim que ficou claro o desejo de Payet de sair do West Ham, a torcida fez questão de compor uma canção para manifestar seu desagrado. “Fuck off Payet, Dimitri Payet, We just don’t want you anymore, You’ve got some fucking front, You money grabbing cunt, Fuck off Dimitri Payet!“, que em tradução livre seria “Caia fora, Payet, Dimitri Payet, não te queremos mais. Você deve ter muita coragem, seu *****, caia fora Dimitri Payet“.

O diretor executivo do West Ham também emitiu uma nota oficial lamentando a decisão do jogador, afirmando que no ano passado fez um novo -e longo- contrato com aumento considerável de salário e que o clube se esforçou demais para mantê-lo, sobretudo porque não precisava do dinheiro da venda.

A ideia dos Hammers era manter Payet como um exemplo de que nenhum craque pode ser maior que a agremiação. Até nisso os planos minguaram de vez. Quem estiver em Londres e quiser trocar a sua camisa do West Ham com o nome do francês, é só ir até uma loja oficial da equipe e pagar £25 para adquirir uma nova.

A ver como Payet se comportará em seus primeiros jogos como reforço do Marselha. A equipe ocupa o sexto lugar e sonha com uma vaga europeia, já que a disputa pelo título ficou restrita a Monaco, Nice e Paris Saint-Germain. Recentemente, o Marselha assinou com Patrice Evra, que estava na Juventus.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *