Sexta das Camisas: A beleza esquecida do futebol holandês

Ajax - PSV

O Campeonato Holandês está de volta nesta sexta-feira. Para dar largada na temporada 2016-17, NEC Nijmegen e Zwolle fazem o jogo de abertura de uma das principais competições da Europa. Aproveitamos o embalo e trazemos algumas camisas marcantes dos times de lá.

A Holanda tem uma história muito interessante no futebol. Apesar de nunca ter sido campeã do mundo, revelou um dos grandes jogadores da história: Johan Cruyff. E também tem três equipes campeãs europeias: o Ajax, com quatro conquistas, PSV e Feyenoord com uma, isso apenas na Liga dos Campeões.

Mas a Eredivisie não é só Ajax, PSV e Feyenoord. Temos outras equipes que, se não são vencedoras, usam camisas interessantes. Que tal apresentarmos elas na lista de hoje?

Veja também: Sexta das Camisas: Romário em 11 peças

Ajax 1991-93, Umbro

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Essa coisa aí foi uma espécie de agrado aos patrocinadores, os banqueiros do ABN-AMRO Bank. Perceba que a camisa tem toda uma identidade que lembra o logo da instituição financeira. Para um uniforme visitante, até que não era tão ruim…

PSV 2005-06, Nike

PSV 2006 kit

O PSV usou várias vezes o azul claro como a cor do seu uniforme reserva. Em 2005, a Nike usou um desenho moderninho para a peça, centralizando o escudo. Ficou sensacional.

Feyenoord 1997-98, Adidas

Feyenoord 1997-98

O Feyenoord é um dos precursores desse estilão meio-a-meio nas camisas. A combinação é muito bacana e em 1997, a Adidas pensou em algo diferente: colocou algumas listras finas entre o vermelho e o branco. A única coisa que estraga aí é o patrocinador, colocado em box. Mas segue a vida, é bem legal este aí.

Vitesse 1994-95, Umbro

Glenn Helder Vitesse 1994

Camisa bem classuda feita pela Umbro em 1994 para o querido Vitesse. Olha a cara de Glenn Helder na foto, ele está muito satisfeito com o fardamento, tá gostando demais, tá animadão. Mas é aquela coisa: nos anos 90, o pessoal curtia um patrocínio extravagante. Toma esse painel gigante da fornecedora de energia Nuon na barriga. Philip Cocu e Roy Makaay atuaram pelo Vitesse naquela década. Monstros.

Heerenveen 1997-98, Adidas

Van Nistelrooy Heerenveen

A camisa mais carismática da Holanda é do Heerenveen. Olha quem está vestindo esse uniforme na temporada 1997-98: Ruud Van Nistelrooy. O inconfundível desenho listrado em azul e branco com pétalas vermelhas de plantas aquáticas. Pois é, para quem sempre pensou que fossem corações, estas pétalas aleatoriamente coladas nas listras brancas na verdade representam a bandeira da Frísia, no norte da Holanda, região onde foi fundado o clube. Por essa vocês não esperavam. E nem a gente.

Den Haag 1997-98, Fila

1998 Ado Den Haag

Olha aí que maravilha. Essa camisa do honroso Den Haag é uma alegria só. Amarelaça e com listras em verde, o time ainda tem como mascote uma CEGONHA chamada Storky, que tem até um Twitter. Sério, quem escolhe uma cegonha como mascote? Que ideia maravilhosa. Parabéns aos envolvidos.

De Graafschap 1997-98, Umbro

De Graafschap

Outra da Umbro. Essa também tem um patrocínio meio exagerado, mas as cores são bem aplicadas. O De Graafschap é localizado na província da Guéldria. Sobre o clube, dois fatos engraçados: o apelido dos torcedores é “Super Fazendeiros” e o De Graafschap também foi a primeira camisa na carreira de Guus Hiddink, que atuava como meia. Baita.

NAC Breda 1996-97, Adidas

NAC Breda

Acompanhando um desenho bastante usado pela Adidas na época, o NAC Breda trouxe esta belíssima camisa. A curiosidade sobre a equipe é que o nome é uma fusão dos dois antigos nomes do NOAD e do ADVENDO, equipes fundadas nos anos 1910. O que pega aí é que são dois acrônimos que deram lugar a um terceiro. O NOAD significa “Nooit Opgeven, Altijd Doorzetten” ou “Nunca desista, sempre persevere“, enquanto o ADVENDO é nada mais que “Aangenaam Door Vermaak En Nuttig Door Ontspanning“, ou “Prazeroso para seu entretenimento e útil para o seu relaxamento” (?????????????). Como se não bastasse ser fruto da união de dois acrônimos, o NAC é o “NOAD ADVENDO Combinatie”, ou “Combinado NOAD ADVENDO”. Ah, eu desisto.

AZ 2009-10, Quick

AZ

A fabricante é uma porcaria, mas essa camisa aqui do AZ Alkmaar merece ser citada. Os campeões holandeses de 2009 certamente se inspiraram no São Paulo para fazer esta peça. É a primeira coisa que vem à mente. Terceira força do país nos anos 1970, o AZ tem o histórico de montagem de elencos estelares (para os padrões da Holanda) e graves crises financeiras logo depois. Em 1972, os irmãos Cees e Klaas Molenaar investiram uma grana pesada que alçou os “Cabeças de queijo” (sério, é esse o apelido deles) ao estrelato e ao título holandês em 1982, além de três Copas da Holanda. Cees morreu em 1979 e em 1985, Klaas deixou a direção. Três anos depois, o AZ entrou em queda vertiginosa e foi parar na segunda divisão, onde ficou dez anos. Eventualmente eles se recuperaram e hoje fazem um papel decente na Eredivisie, vocês devem saber.

Willem II 2000-01, Umbro

Willem II

Localizado em Tilburg, o Willem II (em homenagem ao Rei William II) tem uma das camisas mais simpáticas da Europa. Alternando listras brancas, vermelhas e azuis, o uniforme do clube mais parece um guarda-sol fechado. O Willem II foi o primeiro campeão holandês da era profissional, em 1955. A última grande campanha da equipe foi em 1999, quando terminou com o vice-campeonato atrás do Feyenoord. Craques como Marc Overmars, Jaap Stam e Sami Hyypia passaram por lá.

Um pensamento em “Sexta das Camisas: A beleza esquecida do futebol holandês”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *