Eurocopa, dia 10: Materiais esportivos de procedência duvidosa

Foto: Uefa
Foto: Uefa

Definição do grupo A passou por jogos modorrentos e marcados pela bizarrice. Em Suíça e França, camisas da Puma rasgaram completamente e deixaram quatro atletas na mão durante o jogo. Do outro lado, a Albânia fez história e venceu sua primeira partida, eliminando a Romênia.

Suíça x França: Camisas feitas de papel

Foto: Uefa
Foto: Uefa

No segundo 0-0 da Eurocopa, França e Suíça fizeram um duelo pouco atrativo em Lille. Para encerrar a participação das duas nesta primeira fase, pelo Grupo A, um jogo amarrado e de muita marcação foi a tônica. Equipes que marcam duro, em cima, sem dar espaço para os atacantes. E no meio desse agarra-agarra, vimos episódios de humor ao longo dos nove minutos.

Sabemos que as duas equipes possuem técnica suficiente para evitar um jogo tedioso. Mas aparentemente, a vontade de empatar e garantir a classificação proporcionou um espetáculo sonolento aos espectadores.

A única coisa que gerou algum entretenimento, e olha que nem foi tão interessante assim, acabou sendo a procedência duvidosa dos uniformes da Suíça. Os vermelhos perderam cinco camisas rasgadas durante a partida. E olha que nem foram puxadas tão fortes assim por parte dos franceses. As camisas simplesmente se despedaçaram em vários pontos, outros nem tão comuns assim. Xhaka, por exemplo, precisou se trocar duas vezes. Mehmedi, Embolo e Dzemaili foram os outros presenteados com camisas de papel.

Mas voltemos a falar da bola rolando. A França criou as melhores chances e Sommer foi o grande obstáculo para marcar o gol. Quer dizer, Sommer e a trave. Pogba chegou a meter uma bola na trave Em jogada extremamente física de Sissoko, que arrancou da defesa até o ataque num pique de 75 metros e cruzou, Payet chegou e emendou de primeira, acertando o travessão. Logo ele, que entrou no segundo tempo aplaudido pela torcida e apontado como o salvador daquele empate horrível.

Poderíamos até falar em defesas muito competentes e atacantes encaixotados na marcação, mas hoje o que faltou mesmo foi vontade e chances de gol. A bola poderia ter sido muito melhor tratada hoje, mas o retrato destes 90 minutos foi a dividida entre Behrami e Griezmann. Behrami chegou tão forte que estourou a pelota com os cravos da chuteira. Insólito.

Espera-se uma intensidade maior dos donos da casa, longe do que foi mostrado hoje. Mas como não valia nada, talvez mereçam crédito pelas duas primeiras partidas. Os dois se classificaram e agora a Albânia espera para saber o desenrolar dos outros grupos.

Albânia x Romênia: Para alegrar a alma

Foto: Uefa
Foto: Uefa

Deram a Albânia como eliminada antes desta rodada (eu mesmo falei isso, não vou mentir), deram a Albânia como o saco de pancadas, que perderia de qualquer um, mesmo só levando um gol com a sua defesa impecável e corajosa, sem grandes astros. A Romênia era ampla favorita para este jogo e dependia de uma vitória para continuar sonhando com a classificação. Entretanto, as coisas saíram muito mal para os cárpatos.

A Albânia se defendeu como sempre fez, com a diferença que conseguiu ter êxito em uma de suas ofensivas. Sadiku, um dos meias mais regulares deste elenco, marcou o primeiro gol deles nesta edição, o primeiro em toda a história da Eurocopa. Cabeceou na saída de Tatarusanu, correu para a galera, abraçou e emocionou o estádio todo com a sua devoção aos colegas. Um montinho de albaneses se formou para comemorar o gol, em uma catarse completa. Se a defesa trabalhasse bem depois disso, poderiam comemorar o triunfo inaugural e também a última esperança de classificação.

O ferrolho de Giovanni de Biasi vingou outra vez, e diferentemente do confronto com a França, aguentou os 90 minutos de sufoco. As pernas suportaram a pressão e o nervosismo do jogo mais importante da seleção albanesa até agora. A Romênia foi atrás do gol, foi atrás do único resultado que lhe servia: a virada. Mas os homens da zaga albanesa bloquearam os caminhos para o gol. A eternidade lhes esperava.

Pode não vir a vaga. Pode até não jogar bonito como as grandes seleções que já vimos. No entanto, esta Albânia veio de muito longe para ter vergonha de cair na primeira fase. Do contrário, tratou seu gol e sua vitória como um legítimo momento de heroísmo. Tirana ficará pequena com tantas festas por esta façanha na Euro. E a Romênia sai decepcionada com esta nova geração, de cabeça baixa após somar um mísero pontinho e segurar a lanterna do grupo.

0 pensamento em “Eurocopa, dia 10: Materiais esportivos de procedência duvidosa”

  1. Acho que o craque é que vai destoar nessa Euro. Todo mundo, em geral, tem cumprido seu papel tático e tem sido difícil fazer gols. Nos mata-mata é que um imprevisível, ou melhor, craque Iniesta vai se tornar mais decisivo, driblando os defensores, pra fazer um golaço ou consagrar um Morata, um Nolito. Hazard também pode dar essa contribuição. Vamos ver!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *