Eurocopa, dia 1: O povo clama por mais golaços como o de Payet

Foto: UEFA
Foto: UEFA

França faz jogo interessante contra uma encardida Romênia no Stade de France. Ataques dos donos da casa esbarraram no paredão defensivo romeno. Eurocopa teve uma abertura digna e Giroud fez o gol inaugural do torneio. Visitantes empataram, mas Payet resolveu com uma paulada no ângulo.

Some um estádio lotado a uma atmosfera de festa e um hino simplesmente fantástico. Mesmo após uma abertura xoxa com David Guetta e uma cantora sueca que eu não me recordo o nome, a Eurocopa teve um bom primeiro dia no Stade de France, em Saint-Denis.

França e Romênia se enfrentaram em uma partida que começou a todo vapor. A Romênia, aliás, largou com intensidade e quase fez o primeiro gol com menos de cinco minutos, mas Lloris apareceu com reflexos incríveis para salvar o time da casa. Griezmann, pouco depois, teve duas chances para marcar e cabeceou na trave. Parecia que ia ser um jogaço épico, mas os ânimos esfriaram e vimos um pouco mais de cadência, passes de lado e erros ofensivos. Até o intervalo, a tônica foi essa: tédio e gente bocejando.

Gol Giroud França Romênia
Foto: Uefa

Mas o segundo tempo apareceu para salvar todos nós que esperávamos um duelo interessante. A França voltou à carga e usou os talentos do garçom Payet para chegar lá. Um cruzamento perfeito do baixinho do West Ham encontrou Giroud, que se redimiu de finalizações ridículas antes daquilo e cabeceou (fazendo falta em Tatarusanu) para abrir o placar. Festa, gente ensandecida, tirando a camisa e rodando no alto, aquela maluquice.

Eis que a defesa trapalhona da França aprontou das suas. Rami, que mais parece um peão de sacaria com poder de marcação e grife, estava mostrando que com ele, a coisa iria transcorrer na base da emoção. E ele não estava sozinho ao causar pânico nos franceses. Evra, em gesto malandro, deixou a perna para derrubar Stanciu dentro da área. O juiz marcou pênalti e o ar ficou pesado em Saint-Denis.

Mesmo dominando as ações, a França sofreu o empate em cobrança bem batida por Stancu. A partir daí, a Romênia conseguiu o que queria e foi se fechando gradualmente para administrar o valioso pontinho conseguido. Muitas faltas no meio-campo, as famosas matadas no gás adversário. Os franceses continuaram apelando para a bola alta em direção a Giroud, mas a defesa dos romenos não deu o mesmo mole que o goleirão Tatarusanu no lance do gol de abertura.

Tudo caminhava para um empate broxante, um fim decepcionante para um duelo tão bacana para abrir a Euro. Aí, o talento fez a diferença, aos 44 do segundo tempo. Payet, ele que deu o passe para o gol de Giroud, ajeitou para a canhota e mandou uma paulada de longe para acertar quase a gaveta romena. Um gol fantástico que renovou o ânimo da torcida e dos espectadores ao redor do mundo. Só mesmo um craque para chamar a responsabilidade e resolver um jogo tão complicado como este se pintava para os Bleus.

Foto: UEFA
Foto: UEFA

Payet sentiu tanto a sua proeza que saiu chorando de emoção para dar lugar a Moussa Sissoko. Os franceses se retrancaram para gastar o resto do tempo que sobrava. À aquela altura, a única coisa que importava era flagrar a reação de Payet, sentado ao banco, recebendo o carinho dos companheiros. Já passados os três minutos de acréscimo, Coman teve a chance de encerrar bem a noite para os locais, mas abusou do preciosismo, penteou para um lado e para o outro, sem objetivo. A estreia estava ganha: França 2-1 Romênia, bem mais difícil do que os prognósticos apresentavam.

A estatística não mente: 14 chutes franceses contra 10 dos romenos. Equilíbrio e equipes que não tiveram medo de agredir. Até que deu para o gasto este primeiro jogo da Euro 2016. É só o primeiro dia, tem muita história para ser contada aqui. Favorita ao título, a França ganha moral com este triunfo. E a Romênia não pode considerar tudo perdido, pois deve recuperar-se até o fim da primeira fase. Viva Payet, o homem do jogo.

0 pensamento em “Eurocopa, dia 1: O povo clama por mais golaços como o de Payet”

  1. Evra já deu né não? Matuidi sentiu a estréia. Tirar o Pogba foi loucura. O Rami é o calcanhar de Aqulies dos Bleus, não tem como esconder.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *