Guia musical da Euro 2016: Croácia

Croatian fans cheer celebrations before Euro 2012 soccer match against Spain in the Old Town of Gdansk

O que dizer sobre a Croácia? Muito além da bandeira toalha de piquenique, a Croácia contribuiu com interessantes fatos e invenções para a humanidade. Por lá foram achados os restos mortais do homem de neandertal, com mais de 120 mil anos. Já que nos ajudaram a descobrir de onde viemos, os croatas também colaboram para a modernidade. E ainda podem contar boas histórias na música.

Em 1906, o engenheiro Eduard Slavoljub Penkala inventou uma tal de caneta mecânica que mais tarde ficaria conhecida como lapiseira. Além disso, foram eles que inventaram a gravata. A primeira hidrelétrica da Europa foi construída no parque Nacional de Krka e Hum, a menor cidade do mundo, tem uma população flutuante de 17 a 23 almas.

E já que estamos falando de cidades, King’s Landing, capital do reino fictício de Westeros, criado pelo maluco George R. R. Martin, é Dubrovnik. Parece pouco? Você ainda não viu nada!

Breve história sobre a Croácia na Euro

CRRZG6pW8AEbMHI.jpg large

De 1960 a 1992, a Croácia participou da Euro como parte da Iugoslávia. Depois de se tornar independente, a primeira participação foi em 1996, quando caiu nas quartas de final. Em 2000 não conseguiu se classificar para o torneio. Com atuações bastante irregulares, o melhor resultado nas edições mais recentes foi um 5º lugar em 2008.

Muito distante daquele time que encantou e surpreendeu na Copa de 98, quando terminou em terceiro lugar, a Croácia ainda está buscando seu melhor futebol. Os croatas andam dizendo que serão os azarões dessa Euro. Veremos.

Fique de olho

60945325-ivan-rakitic-mario-mandzukic-luka-modric-1402489322

Há 22 anos, Davor Suker encantava o mundo com seu futebol. De lá pra cá surgiram muitos craques, que já foram devidamente contratados pelos grandes clubes da Europa.

Já virou rotina ver esses caras levantando taças. Ivan Rakitić foi campeão espanhol pelo Barcelona, Mario Mandžukić ganhou o scudetto pela Juventus e a dupla Luka Modric e Mateo Kovačić levou a Champions League na semana passada. Tem ainda Ivan Perisic, que foi um dos poucos jogadores que se salvaram na decepcionante campanha da Inter de Milão nesta temporada. Olho neles!

Música, maestro!

É difícil manter a identidade quando suas terras são invadidas, divididas e agregadas. Mais difícil ainda é resistir às influências dos vizinhos. Mesmo assim, a música croata aguentou firme e se manteve fiel às suas tradições. Desde 1991, quando se separou oficialmente da Iugoslávia, a Croácia tem caminhado firmemente para valorizar a cultura de seu povo.

No século XI, foi encontrada no convento de São Nicolau, a primeira partitura de musica sacra, o missal de Osor. A partir daí a música se espalhou por monastérios e igrejas sob a forma de oração cantada. Surgiu o canto glagolítico, que reúne o coral gregoriano, o folclore croata e a música sacra bizantina.

No começo da Idade Média, surgiram as procissões da Paixão de Cristo, conhecidas como “Via Crucis”. Cada música conta uma estação do caminho de Jesus Cristo ao calvário. Os especialistas consideram a Via Sacra croata como a mais antiga do mundo.

Sob as influências de italianos e holandeses surgiu a músicas barroca, cujas obras mais representativas são os “Armonici concetti”, escritos por Tomaso Cecchini, considerada a coleção mais antiga do gênero. Os croatas têm muito orgulho de seus compositores renascentistas. No século XVI, o grande nome era Julije Skjavetic, que italianou o sobrenome para Schiavetti. Ele compôs uma coleção de madrigais para quatro e cinco vozes. O representante mais importante da música sacra croata é Vinko Jelic, que introduziu a escala cromática e as sequências em suas composições. Grande parte das obras desse período foram destruídas na Segunda Guerra, mas alguns manuscritos foram encontrados na Polônia nas décadas de 80 e 90.

O compositor Ferdo Livadić foi um dos líderes do movimento de renascimento croata do século XIX. Ele compôs o hino do movimento iliriano, que buscava a independência política e cultural da Croácia. Sua composição mais famosa foi o Noturno em Fá menor para piano.

Em 1846, Josip Runjanin musicou um poema de Antun Mihanović, que mais tarde se tornaria o hino nacional da Croácia. Já a primeira ópera, “Ljubav i zloba”,  foi escrita por Vatroslav Lisinski e apresentada pela primeira vez em Zagreb, também no ano de 1846.

Os músicos da Croácia desfrutaram de reconhecimento internacional no século XIX. Entre eles, o violinista Franjo Krežma e a cantora de ópera Ilma Murska. Em 1868, Matilda Mallinger cantou na estréia da ópera de Richard Wagner “Die Meistersinger von Nürnberg”. Em 1878, o báritono Josip Kašman, que mudou o nome para Giuseppe Kaschmann, fez seu debut artístico no La Scala de Milão cantando “Don Carlo. Ele foi o primeiro croata a se apresentar no Metropolitan Opera de New York. Kaschmann se apresentou no Brasil duas vezes, em 1887 e 1890, depois de bem sucedidas apresentações na Argentina e no Uruguai.

Falando um pouco sobre música folclórica, alguns estilos se destacam, como Ganga, Klapa e Tamburica. No Ganga o solista canta uma linha e só depois os outros cantores se juntam a ele. É muito difícil ouvir esse tipo de música nas rádios, mas muitos artistas incorporaram alguns elementos do ganga em suas composições. Já o Klapa é uma forma de canto a cappella, que surgiu em meados do século XIX. Geralmente as letras falam de amor e da terra natal. Os principais elementos desse estilo de música são a harmonia e a melodia. A tamburica é tocada com a tambura (irmã da balalaika russa e do mandolin italiano), e ficou muito popular nos séculos XVIII e XIX. Dizem que o instrumento foi criado pelos persas e introduzido nos balcãs pelos turcos.

Mile Krajina é uma lenda da música folclórica croata. Poeta e mestre do gusle, instrumento típico, morreu em 2014, aos 91 anos, após quase 7 décadas de carreira. Nos anos 60, influenciada pela música romântica italiana, surgiu a música popular dominada por cantores e cantoras croatas. Alguns bons exemplos são Vice Vukov, que participou do Festival Eurovision em 1965, Milan Bačić, Arsen Dedić e Gabi Novak, que fazem sucesso até hoje na Eslovênia, Bósnia, Sérvia, Montenegro e Macedônia.

Desde os tempos da antiga Iugoslávia, os croatas fazem sucesso no Festival Eurovision. Em 1989, a banda Riva venceu a competição. Depois da separação, em 1993, a banda Put fez bastante sucesso no festival. Em 2005, Boris Novković, que em 1990 perdeu a chance de representar a Iugoslávia, foi escolhido como representante croata. Apesar de ter agradado o público, terminou em 11º lugar.

O grande nome da música moderna é Oliver Dragojevic, que é número 1 nas paradas há décadas. Seus shows reúnem pessoas de todas as idades. Apesar de já ter navegado por todos os estilos, da música romântica ao rock, o tema comum de suas músicas é o amor.

Nos anos 70, surgiram as bandas com vocal feminino Magazin, Novi Fosili (considerado o ABBA da Croacia) e Grupa 777, ativas até hoje. Nos anos 90, em plena guerra, despontaram bandas como Prljavo Kavaliste e Parni Valjak, que incorporavam o tema em suas letras.

Nem a Croácia escapou da New Wave dos anos 80. Nessa época, as bandas croatas subiram para outro patamar, tanto na qualidade quanto no sucesso comercial. Os destaques são Azra, Haustor, Film, Animatori, Buldožer e Paraf. Depois da guerra o sentimento nacionalista tomou conta da música. Surgiu Marko Perkovic, a.k.a Thompson, e suas músicas carregadas de patriotismo. Outro exemplo é Miroslav Skoro, que mistura o folk e música romântica com letras de forte conteúdo político. Parece estranho e é, mas ele é um dos cantores mais populares do país.

Os músicos croatas começaram a chamar a atenção do mundo. Zlatan Stipisic, mais conhecido como Gibonni, foi citado pelo LA Times como um dos artistas que o mundo precisa ouvir. Comparado com Peter Gabriel, tornou-se conhecido por ter escrito a música “Cesarica” para Oliver Dragojević, umas das mais populares da Croácia. Seus discos ficam meses em primeiro lugar nas paradas.

Selecionamos três representantes femininas da música croata. Doris Dragovic surgiu nos anos 80 com a banda More e partiu para a carreira solo em 1986. Com uma pegada mais rock, Doris é uma das mais respeitadas cantoras do país. Nina Badric apareceu no cenário musical nos anos 90, aproveitando a popularidade da dance music. Sua música é mais comercial, mas ela tem diversificado e até foi escolhida para participar da versão croata de algumas animações. Danijela Martinovic foi vocalista da cultuada banda Magazin e é um verdadeiro ícone da música da Croácia. Em 2012, sua música “Brodolom” virou o hit do verão, atingindo em um mês, 3 milhões de visualizações no YouTube.

Se o seu negócio é música eletrônica, anote esses dois nomes: Colonia e ET. Apesar de ter trocado várias vezes de vocalista, o trio ET ainda tem muitos fãs. Mas não se esqueça de ouvir Dino Dvornik, um dos pioneiros do gênero que está em atividade até hoje.

A música pop sempre ocupou o maior espaço na Croácia, mas conseguimos garimpar bandas de rock bem interessantes. Na categoria ‘Estranho no ninho’ temos a banda de surf rock The Bambi Molesters. Eles são considerados uma das melhores bandas no estilo em todo mundo. E, olha, vale mesmo a pena conferir.

A banda de garagem Majke, com forte influência Led Zeppelin, Black Sabbath e Black Crowes, trouxe o rock de volta à psicodelia. Já a banda Laufer tem forte influência do grunge de Seattle. Pesando um pouco mais a mão, temos as bandas de metal Osmi Putnik e Father, que fazem sucesso além das próprias fronteiras. A banda Father, inclusive, já abriu os shows de Apocalyptica, Anthrax e Korn.

Da série grata surpresa, destacamos as bandas que miram o mercado internacional cantando em inglês. Anote esses nomes: My Buddy Moose, The Orange Strips, Kimiko e Cold Snap. Para os mais desavisados, elas podem passar sem problema como bandas inglesas. O legal é descobrir que são da Croácia.

O primeiro álbum de hip hop da Croácia foi lançado em 1990 pelos Ugly Leaders. Em 1991, o CLF (Croatian Liberation Front) lançou dois singles de protesto. Depois da separação da Iugoslávia, a banda The Beat Fleet (TBF), foi a primeira banda de hip-hop a usar em suas letras as novas condições socioeconômicas croata. A partir deste momento, começaram a surgiu rappers inspirados pelo gangsta rap americano. Os mais representativos são Bolesna Braća, Tram 11 e a dupla Nered & Stoka. Mas nem só de homens vive o rap croata, a banda Elemental tem como vocalista Mirela Priselac Remi, a primeira e mais famosa rapper feminina.

Molimo povećanje volumena

  1. Tomaso CecchinoSonata Seconda
  2. Julije SkeveticEgo Sum Qui Sum
  3. Vinko JelićCantate Domino
  4. Ferdo LivadićNokturno u fis-molu
  5. Josip Runjanin Lijepa naša domovino
  6. Vatroslav LisinskiLjubav i zloba
  7. Franjo KrežmaAbendlied
  8. Giuseppe KaschmannBrindisi
  9. Vice Vukov Čežnja
  10. Ivo RobicChing-ching-ching
  11. Milan BacicMirjana
  12. Zdenka VuckovicZagreb, Zagreb
  13. Oliver DragojevićCesarica
  14. GazdeTrebam te noćas
  15. Miroslav SkoroSvetinja
  16. Mišo KovačAko me ostaviš
  17. Gibonni Žeđam
  18. Doris DragovicSakom o stol
  19. Nina BadricDodiri od stakla
  20. Danijela MartinovićBrodolom
  21. Dino DvornikAfrika
  22. ColoniaOduzimaš mi dah
  23. ETPridi Bez Razloga
  24. Meri CetinićPotraži me u predgrađu
  25. Arsen DedićAmigo
  26. Tereza KesovijaOstavi me tu
  27. Gabi NovakJoš uvijek
  28. Maja BlagdanVise od najvise
  29. Daniel PopovićDžuli (Eurovision Song Contest 1983)
  30. RivaRock me (Eurovision Song Contest 1989)
  31. PutDon’t ever cry (Eurovision Song Contest 1993)
  32. Claudia BeniViše nisam tvoja (Eurovision Song Contest 2003)
  33. Boris NovkovićVukovi umiru sami (Eurovision Song Contest 2005) 
  34. Marko Perkovic “Thompson”Prijatelji
  35. MagazinPut putujem
  36. Novi FosiliKljuc je ispod otiraca
  37. Grupa 777Spavaj, samo spavaj
  38. Prljavo kazališteAko tražiš nekoga
  39. Parni Valjak Za malo nježnosti
  40. AzraMarina
  41. HaustorUla Ulala
  42. BuldožerPljuni Istini u oči
  43. ParafNarodna Pjesma
  44. The Bambi MolestersMalaguena
  45. MajkeMene ne zanima
  46. LauferSvijet za nas
  47. Osmi PutnikTajna
  48. FatherMachina
  49. My Buddy MooseMy People
  50. The Orange StripsKissed A Girl (It Wasn’t You)
  51. KimikoPenguin In A Golden Coat
  52. Cold SnapGenocide
  53. Ugly LeadersUgly Leaders are funny
  54. CLFCroatia’s Gotta Be Free
  55. TBFNostalgicna
  56. Bolesna BracaLovacke Price
  57. Tram 11Kaj Ima Lima?
  58. Nered & StokaOvo jedva si dočeko
  59. ElementalOprostajna pjesma

0 pensamento em “Guia musical da Euro 2016: Croácia”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *