Noite de Libertadores: Um azarão dos mais interessantes

LIBERTADORES I DEL VALLE-MELGAR

Independiente Del Valle espeta o Pumas no Equador e abre vantagem nas quartas de final da Libertadores. Foi o último duelo de ida desta fase e os negriazules passaram a ser os favoritos para a última vaga nas semifinais do torneio.

LEIA MAIS SOBRE AS QUARTAS DA LIBERTADORES

O futebol faltou, mas o São Paulo fez sua parte

O bote da serpente

O Independiente Del Valle é definitivamente um dos poucos times que restaram nesta Copa Libertadores que sabe realmente o que fazer com a bola. Os equatorianos chegaram de fininho nas quartas de final, já eliminaram o River Plate na última fase, deram trabalho para o Atlético Mineiro e ninguém deu o devido crédito a este competente esquadrão do técnico uruguaio Pablo Repetto.

Assim como a LDU em 2008, o Independiente faz dos jogos em Quito a sua arma para matar os rivais logo nos primeiros 90 minutos. Inicialmente, nesta terça-feira, o Pumas não se intimidou com a boa campanha dos negriazules e foi ao ataque. Mas não teve a capacidade de ferir a defesa ou vazar o goleirão Azcona, capitão adversário.

Tudo era uma questão de tempo para que os meninos de Repetto se encontrassem em campo. A partir do momento em que o fizeram, o negócio ficou suado para os mexicanos, que sofreram com os contragolpes e com a malícia do armador Sornoza. Este camisa 10 é extremamente ligeiro para achar um bolão que pode definir a partida. E o Pumas sentiu isso ainda no primeiro tempo quando o danado Tin Angulo, homem solitário na linha ofensiva, espetou o gol inaugural. Mas o lance acabou anulado pelo bandeira por posição irregular. Angulo se encontra inspiradíssimo na competição, sempre fazendo gols e trazendo total desespero para os goleiros que enfrenta. Barovero que o diga.

A parceria entre Sornoza e Angulo puniu pela primeira vez a mal posicionada defesa mexicana. Um passe venenoso achou o camisa 19, que meteu um chute bem no canto da meta de Palacios, aos 41 minutos. Indo para os vestiários na frente do placar, o Independiente se soltou ainda mais para a etapa complementar. Entre descidas vertiginosas e tabelinhas bem ensaiadas, o escrete equatoriano merecia ter marcado pelo menos mais três vezes, mas esbarrou em Palacios e em uma ligeira ineficiência nos arremates.

Angulo, sempre ele, meteu outra no barbante. Jogada rápida após uma falta na intermediária em que os defensores do Pumas ficaram olhando a banda passar. A banda passou -por cima deles- e o atacante equatoriano ampliou o dano à caravana visitante. A coisa só não ficou mais preta porque Fidel Martínez, o Neymar equatoriano diminuiu a parada com o segundo tempo na metade. Entretanto, faltaram os famosos culhões por parte dos mexicanos para buscar a reação. Ficou só nisso e o Del Valle seguiu ao seu estilo, martelando atrás do terceiro, sem sucesso. Um 2-1 confortável e que anima para a revanche.

Analisando friamente, é claro que o Pumas tem chances de reverter a situação no México. Mas ao contrário das oitavas de final, contra o frágil Deportivo Táchira, o time do outro lado é o encardidíssimo Independiente de Angulo, Sornoza e Cabezas. Que também sabe se defender com qualidade, já que lá atrás, quem manda é o cabeludo Mina, zagueirão que lembra o grande Holger Quiñonez, ex-Vasco, por sua autonomia na área.

É de se esperar que o próximo duelo entre os dois seja um tanto mais franco, com os mexicanos menos amedrontados e procurando o gol. Outro cenário provável é um gol em contragolpe veloz por parte do Independiente, que já usou desta arma algumas vezes para vencer jogos. É bom ver este time do Equador. Uma alternativa interessante aos gigantes, o mais novo pequeno que se atreve a estar entre os melhores da América. Não contem os negriazules como derrotados por antecedência contra os grandes que vierem nas semifinais. Porque o River Plate cometeu este erro e pagou caro com uma queda precoce. Olhar com desprezo para os garotos de Repetto é o primeiro passo para a derrocada.

Agora não há mais galinha morta na Libertadores. Só quem se finge de morto para assaltar o coveiro (adaptemos assim o ditado, por ora). Olho no azarão, olho em Tin Angulo, autor de cinco gols até aqui nesta edição.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *