Por que Lev Yashin era único em tudo que fazia

Foto: Dribles
Foto: Dribles

Mais de 25 anos depois de sua morte e 45 de sua aposentadoria, o arqueiro Lev Yashin permanece no imaginário do amante do futebol como o maior jogador de todos a ter atuado debaixo das traves. De estilo inconfundível e com um caráter elogiado por muitos de seus adversários, o russo foi um especialista na arte de defender e liderar a sua defesa.

Lev vem de um tempo em que as bolas aumentavam consideravelmente de peso na chuva, de uma época em que o couro duro castigava o corpo dos goleiros que se atreviam a levar boladas. Foi contemporâneo de homens que, por questão de estilo, ainda atuavam de boinas e sem luvas, desafiando os perigos dos chutes e divididas com atacantes impiedosos.

LEIA TAMBÉM: A vida de refugiado que colocou Laszlo Kubala no Barcelona

O russo era um sinônimo de frieza e segurança na pequena área. Conhecia a região como a palma de sua mão, até melhor. Qualquer reportagem que trate do seu estilo atlético cita os seus reflexos apurados, seu excelente posicionamento e a força, que permitia que ele encarasse adversários na direção do gol.

Mas Yashin foi muito além do que um goleiro é obrigado a fazer. Para ele, não era só defender uma bola ou outra e ir embora para casa. Não levar um gol era questão de honra. Dizem que a cada contragolpe que o seu time levava (Dynamo Moscou ou União Soviética), ele gritava e orientava seus defensores até que eles estivessem no lugar certo para desarmar a ofensiva. Quando não tinha opção, saía para o combate como se fosse um zagueiro, em carrinhos ou desarmes em pé. Algo como o que Neuer faz no Bayern.

A personalidade

Foto: Footy Fair
Foto: Footy Fair

O arqueiro, conhecido como Aranha Negra, tinha seus valores. Respeitava demais os adversários e tinha um senso de preocupação que não se vê mesmo hoje em dia. Dentro de campo, trabalhando, era um homem sisudo, sério, focado.

LEIA TAMBÉM: Como o ensanguentado Butcher virou um ícone do futebol aguerrido

Fora, era visto aos sorrisos, fumando seu cigarro e confraternizando como se tudo fosse uma grande festa. Arrumou muitos amigos no esporte e era visto por torcedores do Dynamo como um deles. Os fanáticos não se referiam a ele como Grande Yashin, o inesquecível Yashin ou Senhor Lev Yashin. Apenas Lev. Era um homem bom.

No lançamento de sua biografia, em 2014, um ex-companheiro falou sobre a importância dele na sua evolução. A história se passou nos anos 1960 e Yashin precisou sair, lesionado, ao fim de uma partida pelo Dynamo. Oleg Ivanov, seu reserva, entrou restando 20 minutos para o apito final e levou um frango. Yashin estava fumando atrás do gol e viu tudo acontecer.

“Yashin então veio a mim e disse que no dia seguinte nós treinaríamos. Achei curioso, pois ele estava de folga, mas mesmo assim foi ao centro de treinamentos e passou a tarde inteira me instruindo”, disse Ivanov.

Quem também tem muito a elogiar Yashin é o ex-meia da seleção russa e do Dynamo, Alexei Smertin, que ocupa o cargo de presidente do clube que o revelou. Smertin relembra que no aniversário de 60 anos do goleiro, uma grande festa foi feita no estádio da equipe, com um amistoso.

Das tribunas, Lev não conseguiu assistir ao jogo pois passou grande parte dos 90 minutos dando autógrafos a fãs. E não recusou nenhum pedido. Fatos como este consolidam a imagem de boa praça criada pelo atleta e seus contemporâneos. Outra história curiosa é que ele esteve no Rio de Janeiro em 1965 e passava o dia todo na praia, se divertindo e treinando os goleiros do Flamengo.

As peculiaridades

Foto: Allrus
Foto: Allrus

Dono de um uniforme inteiro em preto, uma referência para arqueiros, Yashin foi o terror de muitos jogadores que não tinham segurança na hora de finalizar. O gigante de 1,89m crescia diante deles, apavorando qualquer um que se atrevesse a invadir a área. Desafiar Yashin era quase sempre uma tarefa hercúlea, tamanha capacidade que ele tinha de negar o gol a um oponente.

Mas lá no início de sua carreira, nos anos 1950, o futebol quase perdeu uma lenda. Tentando se dividir entre o seu emprego em uma fábrica moscovita e as rotinas no Dinamo, o jovem goleiro acabou preterido pelo seu treinador, com quem teve problemas. Mandado para o banco, Yashin se sentiu um talento desperdiçado e por muito pouco não decidiu trocar de esporte para jogar hóquei. Quando menino, antes de ingressar no elenco de futebol do Dynamo, Lev atuava como goleiro na equipe de hóquei da fábrica em questão.

Os recordes

Foto: Pinterest
Foto: Pinterest

Em 20 anos de carreira, faturou a medalha de ouro nas Olimpíadas de 1956, a Eurocopa de 1960 e cinco vezes o Campeonato Soviético, além de jogar três Copas do Mundo. Poderia ter atuado o quarto, mas ficou no banco de reservas para dar chance a outro veterano que foi ofuscado pelo seu sucesso na seleção, Anzor Kavazashvili.

LEIA TAMBÉM: Como Almir Pernambuquinho viveu e morreu com coerência

No Dynamo, deu lugar a Vladimir Pilguy depois de anunciar a sua aposentadoria em 1970. Há quem diga que o destaque daquela conquista europeia de 1960, contra a forte Iugoslávia foi Yashin, não qualquer atleta de campo, nem mesmo o autor do gol do título, Viktor Ponedelnik.

Muitas dessas defesas podem ter se perdido em vídeos que nunca existiram, imagens que não atravessaram as décadas para mostrar todo o seu talento. Ficará mesmo o registro de que Yashin foi o único goleiro a ser eleito o melhor jogador do mundo, façanha conseguida em 1963. Para explicar a sua firmeza, Lev também era um exímio pegador de pênaltis: agarrou 150 deles. Bem-humorado, disse certa vez:

“A alegria de ver Yuri Gagarin no espaço (o russo foi o primeiro a conseguir tal feito) só é superada pela satisfação que vem após uma boa defesa de pênalti”, brincou Lev.

E se formos falar em mais recordes, a marca do russo chega a incríveis 270 partidas em que ele saiu de campo impune de ver as suas redes balançarem (em inglês, o famoso clean sheet) Por essas e outras, foi eleito o atleta do século passado na Rússia.

Lev morreu em 1990 e ninguém nunca entendeu o grande segredo para ser um monstro como ele. Quer dizer, ele até tentou explicar, mas para alguns poucos gênios que pisam neste planeta, o dom é algo com que se nasce, é impossível replicar ou criar um talento, não importa o esforço. Para o Aranha Negra, a fórmula do grande atleta era fumar um cigarro para acalmar os nervos e tomar um copo de gim para tonificar os músculos…

1 pensamento em “Por que Lev Yashin era único em tudo que fazia”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *