Seis Graus de Separação: De Gérson a George Weah

Figurinha Gerson InterFigurinha Weah Milan

Dois artistas do gol. Matadores natos que tiveram espaço nos anos 1990 para brilhar dentro da área. Gérson, ex-Atlético Mineiro e Internacional e George Weah, fera do Milan, eleito melhor do mundo em 1995. Como podemos ligar estes artilheiros a partir de seus colegas? Contamos como.

Gérson, Atlético Mineiro 1989

O atacante Gérson é o atleta que mais vezes foi artilheiro da Copa do Brasil. Com três troféus de maior goleador do torneio, o paulista infelizmente não teve muito mais tempo para fazer o que sabia. Com passagens marcantes pelo Atlético Mineiro e Internacional, o camisa 9 parou em 1993 e morreu no ano seguinte, com apenas 28 anos. Quando atuou pelo Galo, em 1989, conheceu o lendário Éder Aleixo…

Éder Aleixo, Brasil 1982

O ponta-direita foi um dos craques que esteve no Mundial de 1982, na Espanha, pelo Brasil. Aquele time era historicamente um dos mais técnicos que a Seleção já teve, treinado por Telê Santana. Éder esteve na lista daquela Copa como titular, juntamente com Toninho Cerezo, outro ídolo do Galo…

Toninho Cerezo, Roma 1984

Icônico nos anos 1980, Toninho Cerezo e seu bigode emprestaram talento à Roma, que em 1984 montava o time para tentar ser campeã europeia. O título não veio, mas Cerezo virou ídolo na equipe giallorossa. O brasileiro atuou naqueles tempos com o arisco meia Carlo Ancelotti…

Carlo Ancelotti, Milan 1992

Depois de sair da Roma aclamado como um dos grandes da Itália, Ancelotti saiu no meio da década de 1980 para o Milan, onde jogou os anos finais de sua carreira, com muitos títulos. Um dos colegas de vestiário de Carlo era o eterno capitão Franco Baresi…

Franco Baresi, Milan 1995

Líbero dos bons e dono da zaga milanista, Franco Baresi se aposentou em 1997, aposentando a camisa 6 no clube rossonero. Antes de pendurar as chuteiras e a faixa de capitão, Baresi atuou com o liberiano George Weah, artilheiro que veio do PSG em 1995…

George Weah, Milan 1995

No primeiro semestre de 1995, Weah atuava pelo PSG. Ao fim da temporada, assinou com o Milan e rapidamente virou ídolo da torcida com os seus gols. O africano saiu em 2000 do San Siro e se aposentou três anos depois.

Seis graus Gerson e Weah

Um pensamento em “Seis Graus de Separação: De Gérson a George Weah”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *