A idade de Larsson se mede por gols, não por aniversários

Infográfico Larsson

Henrik Edward Larsson foi um dos grandes atletas que a Suécia já viu nos tempos modernos. Depois do glorioso trio Gren-Nordahl-Liedholm, o baixinho atacante teve momentos gloriosos na carreira e é sem dúvida um dos artilheiros mais notáveis das últimas décadas. Ao todo, o jogador marcou 473 gols, quase metade do que Romário e Túlio fizeram. Mas com menos tempo, evidentemente.

Tudo começa para Henrik em 1989. Ele ganha uma chance como profissional no Högaborgs, seu primeiro clube. Conforme ia conquistando espaço, Larsson mostrava que podia ser um artilheiro. A sua média de gols foi subindo progressivamente. Era um centroavante muito regular, mesmo que seu tamanho e porte físico não fossem tão imponentes.

Sem ter um corpo de super herói ou o tamanho de um trombador, Larsson fez da técnica a sua aliada para balançar as redes. E com essa capacidade ficou famoso internacionalmente. Primeiro pelo Helsingborgs, onde passou duas temporadas marcando 51 gols em 61 partidas. Em 1993, portanto uma temporada antes da Copa do Mundo de 1994, assinou com o Feyenoord e continuou castigando os goleiros.

Foto: Old School Panini
Foto: Old School Panini

O primeiro ano de Larsson na Holanda não foi dos mais agradáveis. Longe de casa, demorou a se adaptar e sofreu com as barreiras culturais. No entanto, já gerava certo frisson entre os torcedores do Feyenoord. O motivo? Seu rastafari loiro. As coisas eventualmente se acertaram para o sueco em Roterdã: a presença como titular na Copa do Mundo deu mais segurança ao garoto, que aos 23 anos já tinha a reputação de novo craque do país.

A volta dos Estados Unidos reservou ainda mais sucesso para Larsson. Autor de 16 gols na temporada seguinte, se consolidou como homem-forte do ataque do Feyenoord, que era treinado pelo ex-craque Wim Van Hanegem, presente como meio-campista na revolucionária seleção holandesa de 1974.

Já em 1995-96, Henrik terminou a temporada com 14 gols. A média abaixou na quarta e última pelo Feyenoord, somando apenas oito tentos em 1996-97. Mesmo assim, não estava feliz. Constantemente escalado fora de posição, pediu para o técnico Arie Haan para ser transferido. Como o seu contrato previa uma liberação automática, o Celtic entrou na jogada e ofereceu 600 mil libras pelo seu passe. Os holandeses tiveram de se desfazer dele.

Aí foi que a fera deslanchou

Foto: Daily Mail
Foto: Daily Mail

Tudo que envolve Celtic e Larsson traz memórias boas aos torcedores dos Bhoys. Afinal, foram 242 vezes em que a torcida se viu enlouquecida ao comemorar um gol do cabeludo. Além de adorar marcar gols nos Rangers, Henrik representou um período muito feliz para os alviverdes de Glasgow.

Nas sete temporadas em que defendeu o Celtic, Larsson foi campeão nove vezes. Quatro da Liga escocesa, três da Copa da Liga e duas da Copa da Escócia. A sua pior temporada foi em 1999-00, quando acabou com 12 gols. Mas isso se explica logo mais.

O começo foi péssimo para o escandinavo. Na sua estreia, contra o Hibernian, deu um passe errado e gerou um gol dos adversários. Depois, fez um gol contra em partida diante do Tirol Innsbruck da Áustria, pelas preliminares da Liga dos Campeões. A sua sorte é que o Celtic venceu por 6-3. Logo, a zica foi embora e ele pôde provar seu pleno potencial.

A lesão e a volta por cima

Foto: The Independent
Foto: The Independent

Dois anos bastaram para que Larsson virasse rei em Glasgow. Só que ele não podia esperar que uma fratura na perna ameaçasse o seu futuro. Em outubro de 1999, levou a pior em uma disputa com Serge Blanc, do Lyon, durante uma partida da Copa Uefa: ficou com o pé preso no chão e com o impacto da passada, quebrou duas partes da perna esquerda. (As imagens são fortíssimas, optamos por não colocar o vídeo no post)

Ficou oito meses fora de combate até voltar e conseguir atuar normalmente pelo clube escocês. Foram apenas 13 partidas, com 12 gols. Quando retornou, recuperado, brilhou outra vez com a camisa dos Hoops. Na temporada seguinte, o recorde: o sueco venceu a Chuteira de Ouro da Uefa ao anotar 53 gols em 50 partidas.

Evidente que a liga escocesa é inferior à holandesa, mas isso de forma alguma tira o mérito de Larsson na arrancada. Ao lado de Chris Sutton, Henrik entrou definitivamente para o hall da fama do Celtic. Em 2000-01, quando foi o maior artilheiro da Europa, o clube varreu a Escócia e conquistou as três competições do país. Fora a vitória contra o arquirrival Rangers por 6-2, com dois gols dele.

A Champions com o Barcelona e o fim da linha

Foto: Daily Mail
Foto: Daily Mail

Três anos depois, Larsson foi parar no Barcelona numa transferência sem custos. Deixou para trás o status de ídolo, como foram os grandes capitães e craques do passado. Já sem sua famosa cabeleira, o veterano de 33 anos chegou para dar mais experiência a um fortíssimo time do Barcelona treinado por Frank Rijkaard.

Como todo craque em idade avançada, Larsson precisou adaptar seu jogo. Já não conseguia mais correr o campo inteiro atrás da bola ou fazer gols mágicos como quando era jovem. No Barça de Rijkaard, era o talismã que entrava para garantir o resultado. Tanto que a sua média de gols caiu drasticamente com essa troca de papel.

Novamente Henrik sofreu com contusões: nos primeiros meses de Barça, rompeu os ligamentos e danificou o menisco do joelho esquerdo. O clube catalão renovou o seu contrato, mesmo com o risco do jogador não conseguir mais desempenhar seu potencial.

E se o Barcelona pode se vangloriar pelo título da Champions em 2006, certamente Larsson tem responsabilidade nele. Afinal, fez parte da jogada que resultou no gol de Belletti, no 2-1 sofrido contra o Arsenal em Paris.

Foto: Premier League
Foto: Premier League

O atacante virou cult. Retornou aos 35 anos para a Suécia, a fim de defender o Helsingborgs novamente. Quando pensou que estava acabado para o esporte e em seus últimos lances, foi seduzido por um empréstimo relâmpago ao Manchester United. Uma espécie de prêmio pelos serviços prestados. Marcou singelos três gols em 13 partidas, mas deixou boa impressão com a torcida dos Red Devils.

Henrik abraça o filho Jordan, que acabara de marcar pelo Högaborgs / Foto: Telegraph
Henrik abraça o filho Jordan, que acabara de marcar pelo Högaborgs / Foto: Telegraph

Voltou ao Helsingborgs e jogou três temporadas, antes de se aposentar em 2009. Como o futebol dificilmente sai da sua cabeça, é muito frequente vê-lo atuar em amistosos de pré-temporada ao lado do filho Jordan. Aliás, o herdeiro já atua como profissional pelo Helsingborgs e é um dos atletas mais promissores da Suécia.

Ao que tudo indica, veremos outro Larsson brilhar no futuro. É difícil exigir que Jordan seja tão bom quanto o pai, mas só de ver a semelhança entre os dois (fisica e técnica) já é um conforto para os mais nostálgicos. No Fifa, o menino já é um bom talento.

Hoje Larsson tem 44 anos. E ao longo de 20 temporadas anotou 473 gols em 874 jogos, com a média de 0,54 tentos por partida. Ou se preferir, 23,6 gols por temporada. Pela seleção da Suécia, Henrik encerrou sua participação com 37 gols em 106 jogos, incluindo três Copas do Mundo: 1994, 2002 e 2006; e três Eurocopas: 2000, 2004 e 2008.

Sendo assim, Larsson hoje teria 1012 gols de idade. Argumento encerrado, meretíssimo.

1 pensamento em “A idade de Larsson se mede por gols, não por aniversários”

  1. Grandíssimo atacante. Me lembro de um gol dele pela Suécia na Euro 2004, não me lembro contra quem, ele fez um gol de peixinho que foi lindo de se ver…! No Winning Eleven 8, um amigo meu sempre jogava com o Barcelona e o Larsson sempre era um tormento para a minha defesa…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *