A história da polêmica transferência de Bebeto para o Vasco

A história do espetacular golpe dado pelo Vasco para tirar Bebeto do Flamengo durou 28 dias. Tempo suficiente para se completar uma manobra que abalou a Gávea e se transformou na mais estrondosa contratação do futebol carioca em todos os tempos. (Revista Placar, sobre a incrível transferência do atacante para São Januário)

VEJA A MATÉRIA ORIGINAL DA PLACAR AQUI

Imagine que um dos grandes jogadores do futebol brasileiro está de saída do seu clube. Com o contrato rescindido, ele vai para o principal rival, após uma negociação repleta de rasteiras e traquinagens. Imagine que este jogador é Bebeto, promessa flamenguista, que trocou de lado e assinou com o Vasco em 1989.

Como está bem explicado pela ‘Placar’ na introdução, a diretoria cruzmaltina pregou uma enorme peça nos flamenguistas para ficar com o passe de Bebeto. Em 28 de julho de 1989, o atacante, que fora campeão brasileiro em 1987 com o Flamengo, ao lado de Zico e Renato Gaúcho, deixou a Gávea e se mudou para São Januário. A transferência causou imenso choque no futebol carioca e impulsionou o Vasco à conquista do Brasileirão.

A reconstrução no Flamengo

Como resposta à saída de Bebeto, o Flamengo recontratou o lateral Júnior, que estava no Pescara, além de Renato Gaúcho, que passou um ano abaixo das expectativas na Roma. Os dois desfrutavam do status de estrela e serviram para a lenta transição do clube, que perdeu o Estadual para o Botafogo. Zico fazia seus últimos jogos com a camisa do Fla (se despediu em dezembro contra o Fluminense), antes de parar por dois anos e ir jogar no futebol japonês, no Kashima Antlers.

Quando o Rubro-negro perdeu a Copa do Brasil para o Grêmio, em uma goleada absurda por 6 a 1 nas quartas de final, as coisas chacoalharam na Gávea. Era preciso uma mudança. Mas as coisas não se acertaram para Zico, Júnior e Renato naquela equipe, que não conseguiu causar impacto no Brasileirão, terminando em quinto na segunda fase, pelo Grupo A.

A arrancada do Vasco

Foto: Placar
Foto: Placar

Do outro lado, o Vasco anunciou Bebeto depois da eliminação da Copa do Brasil. O jogador esteve com o Brasil na campanha da Copa América e foi artilheiro na campanha do título canarinho. Semanas depois, enquanto se adaptava ao novo lar, viu o Vitória eliminar o cruzmaltino da Copa do Brasil, ainda nas oitavas de final. Mas era o último momento de decepção para a torcida cruzmaltina naquele ano.

Bebeto atuou em apenas três jogos no primeiro turno do Brasileiro. Depois, foi crucial para o crescimento do Vasco na segunda fase, em jogos dificílimos. O time comandado por Nelsinho Rosa voou e pegou a primeira colocação da chave B. Na final, contra o São Paulo, o atacante teve boa atuação e viu Sorato marcar o gol do título, depois de passar perto de cabecear a bola na área tricolor.

O Vasco era bicampeão nacional, empurrado pelo potencial decisivo de Bebeto, contratado em um movimento esperto pela sua diretoria. E o Flamengo, pelo menos em 1989, acabou sendo o bobinho da roda, vendo um de seus ídolos ser campeão pelo rival. O ‘troco’ viria em 1992, no Brasileirão. Mas aí é outra história…

4 pensamentos em “A história da polêmica transferência de Bebeto para o Vasco”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *