Como Corinthians e Flamengo poderiam ter um jogo de videogame exclusivo

EA Sports ofereceu R$ 30 mil pro Corinthians e R$ 20 mil pro Flamengo para o FIFA 16. E paga R$ 15 mil pros outros. Pouco, não? (Camila Mattoso, da ESPN Brasil, sobre a ausência dos dois clubes na nova versão do jogo de futebol)

Nesta semana, em notícia divulgada pela repórter Camila Mattoso, da ESPN, ficou conhecido pelo público que Flamengo e Corinthians estão vivendo um impasse na negociação com a EA Sports. Sendo assim, provavelmente ficarão de fora do Fifa 16, ao contrário dos outros 18 clubes da Série A. Afinal, eles estão mesmo muito à frente dos rivais e concorrentes do resto do Brasil… (vamos fingir que sim)

Em conversa no Twitter com o colega Luís Felipe dos Santos, o @lfds, cheguei ao consenso de que Flamengo e Corinthians querem ter um campeonato apenas entre eles, tamanha diferença nos direitos de transmissão e de imagem.

O que isso mostra? Sim, isso mesmo, a necessidade de exclusividade por parte dos dois, que por alguma razão desconhecida, acham que merecem uma fatia maior do que os concorrentes para simplesmente estar em um jogo de futebol no videogame. Podemos falar em valor de marca, na porcentagem do que a EA recebe depois da venda do jogo. Não, não, na verdade, não podemos não. São raros os casos de recusa ao Fifa por discordância de valores, simplesmente porque os clubes do resto do mundo entendem que é positivo ter a sua equipe e seus jogadores no game.

E também falta uma liga para negociar os direitos de imagem

O impasse não é novo. Na versão 2015 do PES, vários times brasileiros ficaram sem seus jogadores originais, por problemas de licenciamento. O que expôs um sério problema de organização, já que nenhuma federação poderia representar cada atleta em conversas com a Konami, o que também fez com que a EA abandonasse o Brasileirão na sua versão do Fifa 15. Tudo bem, tudo bem, vamos adiante.

Desta vez, a EA conseguiu a licença da maioria dos clubes da Série A, exceto, claro, Flamengo e Corinthians, donos de fatias consideravelmente maiores de direitos de transmissão. Só para não dizer que não entramos no mérito esportivo: por sorte o Brasileirão ainda não ficou desequilibrado como o Espanhol, que tem uma competição maçante apenas entre Real Madrid e Barcelona em 90% das ocasiões.

O maior jogo da história dos videogames com apenas dois clubes

E então, o caro Luís Felipe pensou em um campeonato solitário entre Corinthians e Flamengo, o que inspirou a ‘criação’ de um jogo apenas para os dois, já que querem tanto se isolar dos demais, o Fifa 16: Flarinthians Edition. (O nome também partiu de um comentário do LF)

No que consistiria o Fifa 16: Flarinthians Edition? Contamos para vocês. Além da narração de Galvão Bueno com comentários de Casagrande e Júnior, são cinco modos de jogo: Amistoso, Liga, Manager, Be a Pro e Ultimate Team. Destrinchamos cada um deles a seguir:

Amistoso

Tedioso. Você pode escolher Corinthians ou Flamengo para uma partida simples, com 10 opções de uniforme para cada. Porém, os fardamentos de 77 do Paulistão (Timão) e de 81 do Mundial (Fla) ficaram de fora, pois os clubes queriam uma verba ainda maior, não aceita pela EA.

Liga

Você pode escolher Corinthians ou Flamengo. O campeonato terá trinta rodadas com o mesmo jogo. É muita emoção no Clássico das Américas, amigo!

Manager

Você pode ser Tite ou Cristóvão Borges no modo Manager, que conta com… Corinthians e Flamengo. Mas se perder muitos clássicos ou ficar muito atrás na tabela, a torcida pode invadir o CT e desestabilizar o time emocionalmente. É possível contratar (no caso, fazer trocas com o outro clube) e gerenciar os custos de arena, orçamento de transferências e preço dos ingressos. Spoiler: cuidado para não abaixar muito o valor na Arena Corinthians, a diretoria não está preparada para aceitar essa sua quebra na hierarquia.

Be a Pro

Você pode ser e controlar exclusivamente qualquer jogador que quiser no elenco do Corinthians ou do Flamengo. Porém, tenha cuidado com a sua regularidade. Cinco partidas ruins podem significar uma crise de confiança e aumento na pressão por parte da torcida. E aí, você vai querer ser o novo Fábio Santos ou o novo Elias? O novo João Paulo ou o novo Guerrero? Tenha paciência até virar ídolo, pois essas duas nações não vão se apaixonar com facilidade pelo seu futebol.

Ultimate Team

O modo que é o carro chefe do Fifa 16: Flarinthians Edition. O Ultimate Team te permite montar um clube com jogadores do Corinthians e do Flamengo, que virão em um primeiro pacote aleatório. Aos poucos, você pode usar as moedas que ganha para investir em empréstimos e contratações. Por mais um punhado de moedas e R$299 em dinheiro, você pode contratar alguma das estrelas do passado, como Zico, Adílio, Nunes, Tita, Marcelinho Carioca, Rincón, Biro-Biro, Sócrates, Ronaldo, Raul Plasmann, Gamarra, Petkovic e Adriano.

E NÃO É SÓ ISSO!

A faixa bônus é um GC totalmente personalizado de acordo com as transmissões da Globo. Além do que já comentamos da presença de Galvão, Júnior e Casagrande, Léo Batista comentará os melhores momentos no intervalo e Luís Roberto terá uma seção especial para lembrar as melhores defesas após os 90 minutos, no quadro ‘COMO UM GATO, MINHAU!’.

Compre já, em pré-venda, o Fifa 16: Flarinthians Edition. Nas lojas, por apenas R$2 mil reais. Pode parecer muito, mas reflete na valorização das grandes marcas desta dupla gigantesca que faz o clássico das Américas. Não perca esta chance de adquirir um item único para a sua coleção de games

2 pensamentos em “Como Corinthians e Flamengo poderiam ter um jogo de videogame exclusivo”

  1. Que engraçadinho;
    Só faltou explicar que as torcidas de Flamengo e Corinthians juntas representam mais de 30% de todos os torcedores de futebol do Brasil e que o Flamengo tem o triplo, e corinthians o dobro de torcedores que o 3o colocado no ranking mais recente, o São Paulo.
    A ignorância tende a achar essa atitude bilateral uma prova de arrogância quando deveria se tornar um movimento conjunto por uma valorização maior desses direitos por TODOS os times, liderados pelos de maior peso numérico e portanto com maior capacidade de influenciar os compradores dos FIFAs
    15 mil reais?
    20, 30?
    Isso mal paga as contas de algumas HORAS operacionais dos times profissionais. É ridículo MESMO!
    Achar que esses valores são bônus e que na verdade são os clubes que ganham exposição, traduz perfeitamente o amadorismo com que o futebol profissional brasileiro é tratado.
    PARABÉNS ao Flamengo e Corinthians que estão tentando mudar essa cultura patética de “troca de favores” e buscando instituir verdadeiro profissionalismo em seus clubes.
    Não é a toa que os amadores brigaram tanto contra a proposta de lei apoiada pelo Flamengo e aprovada em Brasília. Eles não querem profissionalismo pleno, não importa 7×1 se os bolsos estiverem cheios;

    1. ‘Movimento conjunto de uma valorização maior desses direitos por todos os times’. Sério que você vai meter essa depois de tudo que aconteceu desde a dissolução do Clube dos 13? Que Flamengo e Corinthians desde então tentam morder uma fatia maior dos direitos de transmissão, em valores absurdamente maiores do que os outros clubes do brasil? E você quer falar em ‘MUDAR A CULTURA PATÉTICA E INSTITUIR PROFISSIONALISMO?’ Quando os dois clubes aceitam receber quase o dobro do normal, de forma isolada, não dá pra falar em ‘movimento conjunto por valorização’, cara, sinto muito. Ou é um, ou é outro. Quem vê, pensa que os clubes são extremamente altruístas, né?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *