Como jogar com o goleiro no Fifa pode ser uma experiência interessante

Eu nunca quis ser goleiro. Detesto ter de pegar no gol até na pelada dos sábados. Não tenho a mínima aptidão para me jogar no chão ou levar bolada. Meus reflexos são ridículos e eu prefiro sair com os pés do que erguer as mãos para fazer uma defesa. Devo ter feito não mais que dez defesas difíceis em toda a vida, quase chegando na marca do Bruno Cardoso.

Vejo amigos sofrendo com a pecha de frangueiro, mesmo após milagres em campo. Critico constantemente goleiros que não sabem sair pelo alto ou que não se prestam a evitar um gol crucial na primeira chance que encontram de aparecer no jogo. Mas testando o modo Be a Pro no Fifa 15, descobri as verdadeiras mazelas de um atleta da posição.

Não sou muito familiarizado com esse modo, mas ele me mostrou uma alternativa à preguiça de contratar, escalar times e fazer substituições. Nos meus saves do Fifa, sempre termino os confrontos com alguém podre e apresentando problemas musculares, porque esqueço de trocar os cansados e acabo pagando pelo relaxo no Fergie Time. Em certo momento, achei legal criar o meu personagem para jogar no gol, só para ver o que seria.

Imaginei inicialmente que seria tedioso, já que a ação ocorre no meio-campo e no ataque, que só assistiria lá de trás e teria de fazer algo milagroso quando o time adversário chegasse ao ataque. Constatei nos primeiros duelos essa triste realidade. O Fifa tem um sério problema de inteligência artificial e os dois times parecem imbecis quando você está na posição do goleiro. Primeiro porque os meias e atacantes preferem tocar a bola de um lado para o outro. Segundo que a sua defesa só corre atrás do desarme, sem sucesso. Terceiro que os chutes adversários sempre saem no ângulo.

Tomei vários frangos no começo. Não sabia direito os comandos, então pulava para o lado errado, demorava a responder o chute e ficava mal posicionado. Só a prática me ensinou a ficar sempre num lugar adequado para tentar o pulo na hora em que era requisitado. Ah, esqueci de dizer: meu time é o San Jose EarthQuakes, na MLS. Sim, porque a liga norte-americana é tão ruim para jogadores da posição, que eu não correria risco de ser reserva e emprestado. Titular desde o início, eu tinha apenas a função de fazer uma ou duas defesas por partida, manter a média de 6.0 de avaliação. Não foi fácil.

Poderia ter sido mais simples, mas eu resolvi aumentar o desafio. Lembrei das loucuras de Higuita e encarnei o colombiano em várias ocasiões. Curiosamente, meu time só se comportava de forma ofensiva quando eu saía jogando e tabelando com os colegas. Eles são muito bunda moles. E assim, comecei a me divertir muito mais como o goleiro-líbero-meia-segundo atacante. Tomei apenas um gol enquanto estava fora, um chutaço de longe do Columbus Crew, de Toni Tchani. Fora isso, até consegui dar umas risadas.

Salvei dois vídeos em especial para provar a tese de que o Fifa é muito mais legal para o goleiro quando ele pode efetivamente fazer parte do jogo. Fiz um gol contra o Colorado Rapids e dei uma bela assistência em uma partida contra o Crew. Isso motivou a continuar tentando melhorar em campo. Quem sabe eu consiga ir para uma equipe melhor e pare de tomar um gol a cada 90 minutos, ou que vire o líder de assistências na MLS, o novo Chilavert nas cobranças de falta, algo assim.

Olha só como foi quando eu mostrei para o San Jose como é que se arma um contragolpe:

E como foi quando o Rapids sentiu a ira de um goleiro frustrado por só assistir de longe:

Um pensamento em “Como jogar com o goleiro no Fifa pode ser uma experiência interessante”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *