Um sentimento chamado Copa Trifon Ivanov

Por Ronald Capita

Desde quando voltei da famosa Copa Trifon Ivanov, no sábado, por volta de 15 ou 16 horas, tentei expressar em palavras o sentimento que tive ao poder prestigiar esse campeonato pela primeira vez. Não consegui. Por mais que eu tentasse falar, não conseguiria descrever tudo aquilo.

Lembro que quando soube que teríamos novamente, perguntava por diversas vezes para o Leandro Stein, Murilo Moret, Kaio Esteves – se não estiver esquecendo de alguém – com receio de, por descuido da minha parte, esquecesse. Tanto é que meses antes havia anotado no meu celular para não esquecer, mesmo tendo sido avisado. Confesso que havia perguntado com certa frequência que inclusive eu mesmo notei isso (risos).

Não havia acompanhado, só conhecia a Copa pelos comentários dos amigos que já participaram. Foi a primeira vez. E me senti em casa. Sem duvida alguma é o único campeonato de amigos que consegue reunir tanta gente do bem. Só quem participa ou já participou pode – ou talvez não – descrever o que é a Copa Trifon Ivanov, muito além de um campeonato realizado entre amigos de internet.

Um clima diferente do comum. Uma animação, zoeira, cornetas sem limites, amizade – que já havia sido construída através das redes sociais. Eu, assim como muitos que estiveram ali, certamente se sentiram em casa. Eu mais ainda por ter sido a primeira Trifon que pude acompanhar. É diferente, não há como negarmos. É algo fora do comum. Acho que, pelo fato de já nos conhecermos via internet, quando há essa reunião de amigos é aquela sensação de estar em casa.

Lá vi muita gente bacana, muita gente que conheci através das redes sociais. Outras, através da Trifon tive algum contato, mesmo o pouco que tenha sido – e certamente levarei e pretendo levar. Sem contar aqueles que sempre tive certa admiração devido aos diversos textos publicados. Pode-se dizer que a Copa Trifon é um sentimento. Não há como descrevermos e aquilo que sentimos tende a prevalecer acima de quaisquer palavras.

Em tempo: Vale destacar que muitos dos uniformes da menina Trifa são mais bonitos que de muitos times por aí, hein!? Espero voltar novamente, estar na próxima edição e poder acompanhar e cornetar um pouquinho, né? Obrigado demais por terem me proporcionado um dos dias mais maravilhosos! A Trifon aconteceu dia 27 do último mês, é verdade. Talvez esteja tarde? Talvez sim, talvez não. Afinal, vai ter Copa (Trifon Ivanov) pra sempre. #CopaTrifonIvanov

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *