O imponente regulamento oficial da III Copa Trifon Ivanov

Senhoras e senhores, meninos e meninas, jogadores e jogadoras: é chegada a hora de conhecermos o regulamento oficial da III Copa Trifon Ivanov/ II Troféu Kátia Cilene. Nesse post, você vai saber como a banda toca no campeonato e pode já tomar nota sobre o que pode e o que não pode ser feito em campo no dia 27 de setembro, para evitar punições, discussões desnecessárias e até mesmo cartões indesejados.

Formato

Sem muitas delongas, é importante que vocês saibam a fórmula de disputa: no masculino, serão quatro chaves com quatro equipes cada. Os oito melhores se classificam para a segunda fase, que consiste em jogos de mata-mata. Quartas, semis, terceiro lugar e finais de dois torneios, a Série A e a Série B, a ser disputada pelos oito piores. As partidas serão de 10 minutos.

No Kátia Cilene, a coisa muda de figura. São seis equipes que jogam entre si na primeira fase. As quatro melhores avançam às semifinais e as duas piores lutam pelo troféu SOCORROR. A disputa de terceiro lugar também está prevista antes da final deste módulo.

Critérios de desempate

Pontos, vitórias, saldo de gols, gols pró e cartões, nesta ordem.

Segunda fase (Quartas, semi e final)

Na segunda fase, jogos únicos definirão quem avança até a final, que por sua vez terá dois tempos de 10 com um intervalo de cinco minutos, assim como nas outras edições. Isso vale para os dois torneios, tanto o masculino como o feminino.

Escalações das equipes

O torneio masculino terá cinco atletas de linha, um goleiro e dois reservas. No feminino, são seis na linha, uma goleira e duas reservas. No mais, fique atento às diretrizes disciplinares. Se possível, imprima e cole na cabeceira para não esquecer. E se você é um dos árbitros/árbitras (alô, Bruno Winckler, Bruno Rodrigues, Acácio Barros, Rodrigo de Giuli e André Carbone), estude as poucas regras do certame.

Regras básicas

A- Laterais e escanteios devem ser cobrados com as mãos. Caso sejam cobrados com os pés, será anotada reversão.
B- Qualquer recuo com os pés em que o goleiro use as mãos, será marcado tiro livre indireto. É permitido em toques de cabeça e lançamentos de lateral.
B1 – Tiros de meta devem ser cobrados com a mão, pelos goleiros.

C- As substituições são ilimitadas.
C2- Substituições precisam ser feitas com a bola parada, e o árbitro deve ser comunicado antes da alteração.
C3- Os jogadores na lista de espera poderão ser chamados em caso de lesão e desfalque de alguma equipe. E isso é definitivo pelo restante da competição. Não existe substituto tampão. Entrou, fica até o fim. Portanto, se você se inscreveu e não foi sorteado, compareça.
C4- Em caso de lesão do goleiro, o time pode optar por escolher alguém da lista de espera ou deslocar alguém da linha para o gol.
C5- Se houver mudança de posição, ela deverá ser definitiva. Apenas em caso de retorno do goleiro original, o deslocado pode retornar para a linha.
C6- Na última edição, alguns atletas precisaram sair mais cedo. O time que ficar desfalcado de alguém que não foi suspenso, pode chamar alguém da lista de espera.

D- Os cartões ficam a critério dos árbitros. Dois cartões amarelos resultam em um jogo de punição, um vermelho também, para os dois campeonatos. Condutas anti-desportivas serão analisadas e julgadas pela comissão arbitral logo após o término da partida. Lembrando sempre que a expulsão do campeonato pode ser aplicada, dependendo do caso.

E- Bola na rede do teto resulta em lateral.

F- A saída de bola não pode ser um chute direto. Precisa ser um passe para frente.

G- A distância da barreira em faltas deve ser de 4 passos no masculino e 5 no feminino.

H- O goleiro pode pegar com a mão um recuo que for feito de uma cobrança de lateral.

I- Penaltis alternados nas quartas, semis e 3º, três cobranças e alternadas nas finais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *