A batalha de Rosário

Por Caio Ruscillo

Seria muito fácil para mim falar a respeito dos títulos que vi o Santos conquistar (nasci em 1989), como os Brasileiros de 2002 e de 2004, os Paulistas de 2006, 2007, 2010, 2011 e 2012, a Copa do Brasil de 2010 e até mesmo a glória máxima, que foi a Copa Libertadores de 2011. Até o Rio-São Paulo de 1997, mais distante, seria fácil de falar aqui, porque todo mundo viu. Mas tem um que pra mim é muito especial, e pouca gente se lembra. Lhes direi por quê.

Na verdade, pouca gente lembra, porque poucos viram. Falo da Copa Conmebol de 1998. Se hoje é muito fácil ver um jogo do Santos, seja no bar, ou na própria casa com um bom pacote de TV à cabo, na época poucos puderam assistir a decisão. Sim, a decisão, pois o restante do campeonato não foi transmitido. A ESPN Brasil foi a única emissora a transmitir a partida final para todo o país (em Santos a partida foi transmitida em canal aberto pela TV Santa Cecília).

No entanto, a TV à cabo não era tão forte como hoje, e não eram todas as operadoras que tinham o canal. Por sorte, tinha na época uma antena da DirecTV, e isso fez com que umas 20 pessoas, entre tio, primos e amigos, se reunissem em minha casa para ver a partida decisiva. Isso me marcou bastante. Outra coisa marcante é que a conquista da Conmebol foi o primeiro título internacional depois da Era Pelé. E o primeiro que eu pude acompanhar.

A competição

Seria natural não só para o próprio santista, como para quem acompanha o futebol, desvalorizar um título da Copa Conmebol. A competição não valia grande coisa, os times que participavam não eram grandes, era o ano de criação da Copa Mercosul, que, mesmo naquele momento não sendo organizada pela Conmebol, reunia times mais fortes. Além disso, como já disse, as principais emissoras de TV praticamente desprezavam o torneio.

Mas o Santos estava participando da competição, e não tinha nada a ver com isso. Para chegar até a decisão, o Peixe eliminou o Once Caldas (que já tinha, na época, o histórico goleiro Juan Carlos Henao) nas oitavas e a LDU nas quartas-de-final. Na época estas duas equipes não tinham a tradição que possuem hoje. Na semifinal, o Santos eliminou o Sampaio Corrêa, empatando em 0 a 0 na Vila Belmiro, mas goleando o time maranhense por 5 a 1, no estádio Castelão, em São Luís. Com isso, estava classificado para a decisão contra o Rosário Central, da Argentina. O time argentino, comandado pelo atual técnico do San Lorenzo, Edgardo Bauza, havia eliminado o Audax Italiano (CHI), o Huracan (URU) e o Atlético Mineiro, que era o atual campeão da competição.

No primeiro jogo da final, Claudiomiro fez o gol do título

O primeiro jogo da decisão aconteceu em 7 de outubro, na Vila Belmiro. O Santos venceu a partida por 1 a 0, gol de Claudiomiro, de cabeça, após cobrança de escanteio. Um jogo quente, e uma arbitragem confusa do árbitro uruguaio José Luis da Rosa, que expulsou cinco jogadores. A expulsão mais curiosa foi a do zagueiro Jean, do Santos. Narciso agrediu um jogador do Rosário Central. O árbitro não viu o lance e, Jean, por estar mais próximo ao jogador caído no chão, foi expulso. Além dele, Viola foi o outro santista expulso. No time do Rosário, Carracedo, Scotto e Montoya receberam cartões vermelhos.

Antes do segundo jogo, a guerra

Em 21 de outubro, já na noite argentina, o ônibus do Santos se dirigia ao Estádio Gigante de Arroyito, em Rosário. No entorno do estádio, o clima era quente. Torcedores do Rosário Central atiravam pedras e rojões no ônibus. Para dispersar os barras-bravas, a polícia argentina dava tiros para o alto, o que aumentava ainda mais a confusão. Uma verdadeira guerra.

Já no vestiário, Emerson Leão e o time do Santos sentiram que não haviam condições para a realização da partida. O então presidente Samir Abdul-Hak comunicou ao presidente da Conmebol que o Santos, naquelas condições, não entraria em campo. Leoz, dirigentes do Rosário e autoridades argentinas disseram à Samir que, no caso de realização do jogo, ninguém se responsabilizaria pela segurança da delegação santista.

Sendo assim, Samir concordou com a realização do jogo, desde que Emerson Leão, suspenso por incidentes na final da Copa Conmebol de 1997 quando treinava o Atlético Mineiro, pudesse ficar no banco de reservas. Leoz atendeu o pedido do presidente santista. Faltava, então, avisar Leão que o jogo seria realizado e que ele estaria no banco. Essa “negociação” atrasou o inicio do jogo em uma hora.

A guerra dentro de campo, e a tão esperada conquista

Com o atraso do jogo, os mais de 40 mil torcedores do Rosário que lotavam o Gigante de Arroyito estavam enfurecidos. Quando o Santos adentrou o gramado, dezenas de objetos foram arremessados ao campo. Ignorando tudo isso, o árbitro paraguaio Ubaldo Aquino deu inicio ao jogo.

Com tantos desfalques, Leão levou à campo um time completamente remendado: Zetti; Ânderson Lima, Sandro, Claudiomiro e Athirson; Marcos Basílio, Narciso, Élder e Eduardo Marques; Fernandes e Alessandro Cambalhota. Eram tantos desfalques que, no Banco de reservas, Leão tinha apenas o goleiro Nando, Gustavo Nery, Baiano e Adiel. O time argentino era só pressão, e confiança. Afinal de contas, o 1 a 0 do jogo de ida era um resultado, em tese, fácil de ser revertido. Em tese.

Zetti fez, sem dúvida alguma, a sua melhor partida com a camisa do Santos. Ele mesmo diz que a Conmebol de 98 foi o título mais difícil de ser conquistado em sua carreira. E ele foi fundamental, principalmente ao defender, no primeiro tempo, os chutes de fora da área do atacante Coronel.

O Rosário não tinha um grande time, mas pressionava. No segundo tempo, o árbitro Ubaldo Aquino expulsou Eduardo Marques, do Santos, e Daniele, do Rosário. O Santos soube se segurar, e não houve pressão que furasse o bloqueio alvinegro. Fim de jogo, e início da festa santista. O Santos voltava a conquistar um título internacional.

Um pensamento em “A batalha de Rosário”

  1. Parabéns, Caio, recuperou uma conquista que hoje os santistas e a mídia esportiva deixam de lado. Também foi o primeiro título internacional que vi do meu time, também foi difícil acompanhar a final e adquirir material sobre ela, por isso sei um pouco do que ela representa pra ti. Abraço!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *