Uma rodada em que a justiça prevaleceu

Fazia tempo que eu não via uma rodada essencialmente tão justa no Brasileirão. Quer dizer, salvo um ou dois jogos. No geral, só teria mais justiça se ao invés das partidas, fosse exibido um julgamento nos canais que transmitem o campeonato.

O martelo começou a ser batido ainda no sábado, com duas goleadas e uma demissão. O Cruzeiro passou o carro em cima do Figueirense e fez 5 a 0, mostrando para as invejosas que pode ser campeão outra vez, desta feita com certo brilho em alguns pontos. OK que o Figueira é o lanterna, mas a atuação da Raposa foi letal e é isso que importa por agora. Ainda no sábado, outra surra em catarinenses: a Chapecoense tomou 3 a 0 do Santos e beira a zona da degola. Mais uma atuação segura do Peixe.

Saudades, Alemanha

O Internacional seguiu o seu plano mirabolante de finalmente brigar pela taça ao bater o Bahia, fora de casa, por 1 a 0. O resultado derrubou o promissor Marquinhos Santos do Tricolor, que agora quer Gilson Kleina para a sequência do Brasileirão. Vice-lanterna, a equipe baiana sofre muito com os desfalques de Manuel Neuer, Bastian Schweinsteiger e Jürgen Klinsmann, que ajudaram o Baêa a ganhar projeção internacional durante a Copa. Sem alemão, não tem condição.

No Itaquerão, não se fala portunhol

No domingo, com dois clássicos, tivemos mais demonstrações de justiça. O Corinthians, que não usou aquela peruca pomposa de juiz, sentenciou o Palmeiras a passar mais um dérbi sem vencer, derrotando o rival por 2 a 0 (Guerrero e Petros) e sem sofrer quase nenhum chute a gol. Foi o primeiro duelo entre os dois na Arena Corinthians, e por pouco não tivemos cenas lamentáveis em pelo menos três ocasiões. Lamentável mesmo é a situação de Ricardo Gareca, que sofre com um time medonho e já perdeu três no Brasileiro. Deve ser mesmo complicado treinar um time falando portunhol, quando os jogadores não entenderiam as instruções nem mesmo se usassem um ponto eletrônico. Forte candidato ao troféu ÚLTIMA VAGA DA SUL-AMERICANA o Palmeiras. Rindo à toa, o Timão chega forte para peitar o Cruzeiro na busca do caneco.

Lanterna dos afogados

Coritiba e Flamengo entraram na rodada como vice-lanterna e lanterna, respectivamente. Os dois venceram seus compromissos e ensaiaram uma reação. Na Arena Grêmio, o Coxa espetou o Tricolor gaúcho e fez 3 a 2, acredite, com dois gols de Zé Love. O detalhe impressionante foi que os gremistas reagiram com dois gols de Barcos. Mais alguns minutos e saía até gol de Alcindo e Sinval nesse cotejo. Alex resolveu a parada nos acréscimos e fodeu o lide de muita gente que já dava o empate como certo, esperando o apito final para publicar o texto.

Menos fascinante e mais óbvio, o clássico carioca das 18h30 teve o Flamengo batendo no Botafogo por 1 a 0, resultado que não surpreendeu nem o mais otimista dos botafoguenses, se é que esse espécime pode ser visto nas ruas. O gol foi de Alecsandro, que sempre odiou o Fla, mas agora parece conveniente comemorar, beijar o escudo e bater no peito com orgulho de vestir o manto rubro-negro. Láaaaa no fim, o Fogão quase empatou com Zeballos, mas a defesa flamenguista tirou em cima da linha, recuperando uma falha de Marcelo. Zeballos, aliás, numa dividida, deu de cabeça no queixo de um coleguinha e perdeu mais sangue do que kombi de hemocentro capotada. Parecia ter levado um tiro, mas ficou tudo bem com o rapaz, nada de grave.

O retorno de Kaká (com derrota)

Quem viu os melhores momentos do jogo entre Goiás e São Paulo, certamente deve ter ficado convencido de que Kaká teve uma boa atuação. O VT deu cabo de mostrar que só o camisa 8 tricolor chutava ao gol esmeraldino. O balde de água fria do Goiás veio em dois lances, com Amaral e Bruno Mineiro. Puto da vida, Kaká deu um jeito de deixar o seu para não ficar tão amargo o gosto da derrota. Terminou 2 a 1 para os mandantes no Serra Dourada, algo que não estava nos planos do ex-milanista.

O time do Doriva esqueceu como se defende

Em lances fortuitos, porém decisivos, a defesa do Atlético Paranaense não segurou a onda e levou 3 a 0 do Fluminense. Foi a primeira derrota significativa de Doriva no comando do Furacão. Para quem não lembra, o treinador liderou o Ituano a um título paulista em cima do Santos e terminou com a melhor defesa, sofrendo apenas 11 gols no decorrer do Estadual. O escorregão deve ser apenas um susto. A ver como os atleticanos reagem depois dessa.

Outros resultados

Criciúma 1-3 Vitória
Sport 2-1 Atlético Mineiro (que não terá mais Ronaldinho)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *