Três obrigados por tudo, Impedimento

Hoje a terça-feira poderia ter sido marcada por qualquer coisa. Como a apresentação de James Rodríguez no Real Madrid, a volta de Dunga à Seleção Brasileira, a outros acontecimentos que concernem o futebol como paixão nacional, paixão irracional, paixão essa que norteia a nossa vida. Você vê, desde criança, a gente acompanha o esporte com o maior carinho, quer de alguma forma fazer parte dele. Uns jogam, outros só assistem, alguns passam todo um ciclo escrevendo sobre. Eu sou um desses que achou um subterfúgio para compensar o fato de não ser jogador, escrevendo crônicas e mais crônicas. E um lugar em específico me inspirou durante esses quase quatro anos que mexo com jornalismo.

O Impedimento acabou. Encerrou suas atividades e deixou uma legião de leitores e seguidores abalados com o tamanho do buraco que a sua ausência vai deixar no jornalismo. Aliás, quem dera isso só se tratasse de jornalismo. Os caras lutaram por anos para tentar levar ao site um conteúdo diferenciado do que vemos nos grandes portais. Enquanto os conglomerados se preocupam em lucrar, caçar cliques, o Impedimento estava lá como a resistência: mostrando como é que se escreve algo que sirva de referência e ao mesmo tempo possa emocionar, mostrar que sem o afinco, o sofrimento, o suor e o sangue, a bola é só uma bola e os jogadores são só figurantes. O lado humano do esporte é tão fascinante, mas parece não ter espaço num mundo tão comercial quanto esse.

A gente aprendeu com eles que se pode suar enquanto termina um relato, que se pode tocar em nervos que o hardnews jamais ousaria. Que se pode, enfim. Independente, engraçado, mas sempre guerreiro. O Impedimento foi pra gente uma fonte de conhecimento e de GAMBETA. Foi um jornalismo raçudo como um volante que tromba, mas nunca deixa de olhar a bola. Bato de novo na tecla da humanidade, que sempre foi o carro chefe impedimentista, impedimentero, como quer que vocês se refiram.

Outros vão lembrar com olhares de canto, que nós aqui da Total Football fizemos uma espécie de cópia da maravilhosa Impedcopa. Lembramos desde o início que sim, um homem precisa de inspiração nessa vida, e que para o surgimento da Copa Trifon Ivanov, foi necessário fazer um laboratório (ainda que no dia eu não soubesse que se tratava de um laboratório) com quem fez direito esse negócio de organizar um campeonato com churrasco entre amigos e leitores. Da minha parte, tenho de tirar o chapéu e me curvar aos caras que serviram de modelo para que a gente pudesse chegar a essa terceira edição, a terceira de muitas. Não fosse aquele dia frio em Porto Alegre, o Trifonzão não existiria. Então aí vai um obrigado de coração ao pessoal que respira essa loucura, essa psicopatia e esse caos. Vocês estão no DNA disso tudo.

É, meus amigos, mas o Impedimento acabou. Acabou e cumpriu a missão de informar e satisfazer a fome do leitor que quer entrar no debate saudável que é discutir o nosso futebol. O segundo obrigado é por saber transitar entre o fórum e o portal sem perder a GALHOFA. O terceiro obrigado é por deixar em CHAMAS todo moleque que quer ter uma boa base pra começar a escrever seus pitacos e histórias sobre o futebol.

Espero que vocês sejam eternamente lembrados por essas razões que citei aí em cima. A todos que faziam parte da fundação, da labuta diária, da colaboração esporádica e dos comentários, da catarse que era cada texto, por mais banal que fosse o tema. Nós aqui da Total Football, que estamos tentando um lugar na leitura diária de quem ama essa coisa chamada futebol, devemos muito a vocês. Tanto que não caberia em mil notas promissórias.

Que este fim seja também um começo de algo novo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *