O jardim do M’gladbach que conta histórias

Bokelberg

Os tempos de glória do Borussia M’gladbach começaram na década de 70 e encheram de cor as arquibancadas do Bökelberg Stadion. Anos depois da demolição da sua antiga casa, os Potros remam para construir novas boas memórias no Borussia Park.

Pessoas mudam de casa, mudam de cidade, mudam de país. E invariavelmente, em todos esses lugares, as memórias relacionadas a cada lar ficam bem guardadas. Não importa se foram bons dias ou péssimos dias, toda casa é inesquecível da sua forma. Com clubes de futebol não é diferente. Cada vez mais os times engatam projetos ambiciosos de arenas, novos estádios modernos para abrigar os seus torcedores.

No caso do Borussia M’gladbach, sair do Bökelberg Stadion foi um processo doloroso de transição na sua história. Na posição de um dos maiores campeões do futebol alemão, o M’gladbach viveu seus melhores dias durante a década de 70, com cinco títulos da Bundesliga e dois europeus pela Copa UEFA.

63421-mgladbachbundesliga
Jogadores posam com a salva de prata em 1977 no Bökelberg Foto: The wild bunch

Naqueles tempos, a formação de craques era um processo natural. Rainer Bonhof, Günter Netzer, Berti Vogts, Uli Stielike, Jupp Heynckes, sem falar na passagem vencedora de Allan Simonsen, colocaram os Potros no mapa das principais forças do futebol europeu. Essa geração venceu o seu último título em 1979, na Copa UEFA diante do Estrela Vermelha, em casa. Depois disso, apenas em 1995 o Borussia tornou a levantar um caneco. A Copa da Alemanha daquela temporada veio contra o Wolfsburg, com gols de Martin Dahlin, Stefan Effenberg e Heiko Herrlich.

Desde então, os Potros parecem estar longe de sequer brigar por algum título. Quando falamos da antiga casa, fechada em 2004 após a inauguração do Borussia Park, é inevitável que o saudosismo tome conta. Apesar do que uma arena moderna possa sugerir, o M’gladbach teve sérios problemas para se manter na primeira divisão. Rebaixado e com a lanterna da Bundesliga em 2006-07, o time voltou à elite no ano seguinte, mas com as mesmas dificuldades.

O susto do rebaixamento voltou em 2010-11, quando o Borussia ficou na antepenúltima posição e só se salvou da degola ao bater o Bochum na repescagem. A partir daí, sob o comando de Lucien Favre, a equipe retomou o caminho certo e agora se mantém na parte superior da tabela, novamente formando bons jogadores como Marco Reus, o atleta mais talentoso revelado lá desde Stefan Effenberg.

c705d-bokelbergatual
Hoje o Bökelberg é um condomínio Foto: Schalker-block5.de

Quando o Bökelberg fechou as suas portas para partidas oficiais do M’gladbach, todo um passado ficou para trás. A área que costumava receber grandes jogadores, hoje é ocupada apenas por uma pista simples, parte de um complexo residencial, destino que é bem comum para estádios demolidos. O processo de retirada das arquibancadas foi concluído em 2005.

O último jogo oficial foi entre o Borussia e o München 1860, vencido pelos Potros por 3 a 1 em 22 de maio de 2004. Vaclav Sverkos, Arie van Lent e Igor Demo marcaram os gols derradeiros do time da casa em Bökelberg, sacramentando a 11ª posição naquela Bundesliga. Um sinal de que o clube agora precisava dar um passo adiante para retomar sua grandeza.

Parece difícil imaginar algum concorrente ameaçando o domínio de Bayern e Dortmund na Alemanha. O mais perto que os torcedores do M’gladbach podem chegar de um título é sentar em um desses degraus ao lado de um belo jardim. Esse jardim fala e remete aos dias em que o concreto e o gramado viravam um só no momento de delírio, uma reverência ao talento de um esquadrão que tomou conta do país.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *