Figo, o espírito velho

Luís Figo é o aniversariante mais ilustre da bola nesta segunda-feira e nós relembramos alguns momentos importantes da carreira de um dos gênios dos anos 1990 e 2000: ídolo do Barça e vendido ao Real Madrid depois de ganhar a Bola de Ouro, o português ainda gera controvérsia no Camp Nou.

Figo não precisava depender de longas arrancadas para provar seu valor e sua genialidade dentro de campo. O português tinha uma facilidade peculiar para enganar os adversários com seus passos em falso ao proteger a bola.

Essa lisura ao carregar a bola fez de Figo o melhor jogador do mundo em 2001, em eleição da FIFA. No ano anterior, a Bola de Ouro da France Football já integrava a sua estante de troféus. Certamente o maior nome que surgiu em Portugal nos anos 90, o meia começou no Sporting em 1989 e dois anos depois levantou sua primeira taça pela seleção sub-20 portuguesa, o Mundial da categoria diante do Brasil, nos penais.

f4e69-figo1991sporting

Foto: FM Scout

O menino que jogava como gente grande

Desde jovem, Figo tinha uma notável capacidade de entortar a defesa alheia com dribles curtos e rápidos, sem aquela vaidade que é normal aos mais habilidosos. Sempre muito objetivo, o camisa 7 parecia ser bem mais experiente do que a sua idade podia sugerir.

Do Sporting, só levou a Taça de Portugal em 1995, ano que deixou Portugal para jogar no Barcelona. Sua transferência para o Barça, aliás, poderia ter sido bem diferente. Cobiçado por Parma e Juventus, o português assinou dois contratos com as equipes italianas e ficou proibido de desembarcar no país por um período de dois anos. Para a sorte dos blaugrana, ele estava livre para jogar em La Liga, onde brilhou por cinco temporadas, virou rapidamente um ídolo da torcida. Bicampeão espanhol e da Copa do Rei, saiu apenas em 2000, diretamente para o rival Real Madrid.

A traição

Odiado pelos mesmos que um dia lhe juraram amor eterno, Figo chegou no Santiago Bernabéu logo conquistando mais um título da liga, uma Liga dos Campeões em 2002 e o Mundial Interclubes. Foi no Real que conquistou o prêmio de melhor do mundo pela FIFA, em 2001. O sucesso nos clubes, entretanto, não se repetiu pela seleção. Fora das Copas de 1994 e 1998, onde poderia ter sido um dos principais astros, o lusitano teve sua primeira chance em Mundiais por Portugal apenas em 2002, quando chegou longe da sua forma ideal, voltando de lesão. Baleado, viu seu país cair ainda na fase de grupos.

Um último show em Copas

Somente em 2006, já com idade avançada e responsável por conduzir uma ótima geração, Figo foi gigante na campanha que terminou com o quarto lugar na Copa da Alemanha. Foi a França de outro craque em redenção, Zidane, que tirou a chance de Felipão e seus comandados chegarem na final contra a Itália. Aposentado da seleção após esse torneio, Figo foi viver os anos derradeiros como profissional na Internazionale.

Já em um patamar altíssimo, Luís saiu do Real Madrid em 2005 e partiu para a Inter sem a mesma pompa de anos antes. Veterano e com alguma lenha para queimar no esporte, viveu a época dourada dos nerazzurri com quatro scudettos em quatro anos de clube, se aposentando em 2009 e deixando um bom legado para o título europeu na temporada seguinte, diante do Bayern.

Quatro anos depois de sua aposentadoria, fica a sensação de que poucas vezes vimos algum jogador ser tão regularmente letal como Figo, em qualquer clube que seja. Ele foi ídolo em alguns dos clubes mais importantes do mundo e isso diz muito sobre o profissional que viveu 20 anos da sua genialidade.

Luís Figo
Nascimento: 04/11/1971, em Lisboa – Portugal
Posição: Meia-atacante
Clubes: 1989-95 Sporting, 1995-2000 Barcelona, 2000-2005 Real Madrid, 2005-2009 Internazionale
Títulos: Mundial sub-20 1991, Taça de Portugal 1995, La Liga 1998, 99, 2001, 03, Copa do Rei 1997, 1998, Taça das Taças UEFA 1997, Liga dos Campeões 2002, Mundial Interclubes 2002, Serie A 2006, 07, 08, 09 e Copa da Italia 2006
Títulos pessoais: Bola de Ouro da France Football 2000, Melhor jogador do mundo FIFA 2001
Participações em Copas: 2002 e 2006
Eurocopas: 1996, 2000 e 2004

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *