O dia em que Okocha tirou Kahn para bailar

Okocha faz um golaço e humilha o goleiro do Karlsruher, até então um menino chamado Oliver Kahn: o nigeriano precisou mostrar sua ginga para se livrar dos marcadores e entrar para a história da Bundesliga como um dos gols mais impressionantes.

Ele não precisava ter feito aquilo com Kahn. Certamente Okocha poderia ter resolvido o lance no segundo ou terceiro corte seco aplicado dentro da área, mas por alguma razão o nigeriano sentiu necessidade de mostrar aos adversários o quanto manjava do riscado.

Era uma bela noite no Waldstadion, o Eintracht Frankfurt vencia o Karlsruher pelo placar de 2-1 com gols de Uwe Bein. Com três minutos restantes no relógio, um contragolpe fatal selou o destino da partida nos pés de Jay-Jay Okocha, um dos destaques daquele time ao lado do atacante ganense Tony Yeboah.

Okocha estava em sua quarta temporada como profissional, aos 20 anos de idade (isso é o que o seus documentos alegam) e jogava pelo segundo ano no Frankfurt. Entrou na metade do segundo tempo na vaga do polonês Jan Furtok e gravou seu nome na história da Bundesliga por um gol que irritou Oliver Kahn, jovem promessa do Karlsruher, então com 25 anos.

O relógio marcava 87 minutos e o jogo era bem movimentado. Numa descida pelo meio, o Frankfurt pegou o adversário de calças curtas e quando Maurizio Gaudino chegou na frente de Kahn e resolveu por dar um passe para trás, mal o goleiro poderia esperar sofrer tanto. Okocha recebeu e fez troça do arqueiro e de seus defensores, num show de dribles fáceis.

O nigeriano festejou como nunca a sua façanha. E ele viveria os anos seguintes com a fama de jogador habilidoso e imprevisível. Jay-Jay ficou até 1996 no Frankfurt, defendeu o Fenerbahçe de 1996 a 98, o PSG de 98 a 2002, Bolton de 2002 a 2006 e ainda teve discretas passagens pelo Qatar SC e Hull City, onde se aposentou em 2008.

Campeão da Copa Africana de Nações em 1994 e medalha de ouro nos Jogos Olímpicos de 1996, Okocha deve guardar com carinho a lembrança daquele golaço onde desmoralizou a defesa do Karlsruher. E a expressão de Kahn deitado no chão com a bola é impagável.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *