5 lendas do futebol que nunca ganharam a Liga dos Campeões

Foto: Fotos antes e depois
Esses craques ganharam status de lenda nos seus clubes, brilharam pela seleção ou em várias outras competições, mas na Liga dos Campeões não obtiveram tanto sucesso assim. E olha que tem gente grande nessa lista


Ronaldo
Um dos maiores atacantes de todos os tempos fez parte de um elenco que ganhou a Liga dos Campeões, mas isso não quer dizer que ele a tenha vencido. Em janeiro de 2007, a diretoria do Milan bancou a contratação do cada vez mais gorducho craque por € 7,5 milhões sabendo que não poderia contar com o jogador no torneio europeu, já que o atual membro do Conselho de Administração Local da Copa do Mundo já havia atuado pelo Real Madrid na fase de grupos da competição. Ninguém poderia imaginar que ele jamais voltaria a disputar a competição. 

Durante todos os anos em que foi soberano como o melhor camisa 9 do planeta, Ronaldo sofreu com as suas próprias síndromes (suas incontáveis lesões, que tanto prejudicaram a sua carreira e os seus clubes) e as dos outros (Barcelona e Inter não eram considerados times de LC; Real Madrid, curiosamente, deixou de ser com a chegada dele e o consequente início da era dos Galácticos). Parece até capricho do destino – como se ele estivesse proibindo o filho, a quem deu o mundo, de ter outros brinquedos menores, como a Europa. 


Sem tal honra, o dentuço, craque que foi, ainda conseguiu marcar o seu nome no hall de memórias da competição graças aos três gols marcados em Old Trafford no dia 23 de abril de 2003, quando até os torcedores do Manchester se levantaram para aplaudir a atuação magistral que eliminou os donos da casa.


Foto: Juveknows
Gianluigi Buffon
Como diria o outro, goleiro precisa ter sorte. Aos 35 anos, Buffon pode se gabar por seus três títulos nacionais com a Juventus, pela Copa do Mundo de 2006, quando foi tão fundamental para campanha quanto o “Melhor do Mundo” (veja bem, coloquei com aspas) Cannavaro, pela idolatria que os torcedores dedicam a ele todos os jogos no Juventus Stadium. Quesitos que o levam a ser considerado um dos melhores goleiros da história da Itália, mas que nunca foram suficientes para conquistar o continente. 

Quando esteve mais próximo do título, em 2003, não conseguiu graças ao goleiro rival. Depois de uma partida modorrenta, a Juventus decidiu nos pênaltis contra o Milan a final da Liga dos Campeões daquele ano. Buffon defendeu as cobranças de Seedorf e Kaladze. O rossonero Dida, no entanto, foi ainda melhor e pegou os chutes fracos de Zalayeta, Trezeguet e Montero, conquistando o torneio e posto de melhor goleiro do mundo na época.


(Foto: Bambini.eu)
Francesco Totti
Você não pensa em ganhar a Liga dos Campeões, não?” Imagine você, leitor, quantas vezes o ídolo da Roma não teve que ouvir a mesma pergunta. Pois Totti, aparentemente, sempre disse não, tanto que resistiu ao assédio de um Real Madrid ou outro e nunca arredou o pé da sua casa. Um dos jogadores de estilo mais clássico dos últimos anos fez a sua história por outros caminhos.

Fez 15 gols na LC quando conseguiu classificar o seu time. Quando não deu, fez 21 gols em 38 partidas na Europa League/antiga Copa da UEFA, foi campeão do mundo pela Itália e tornou-se recentemente o segundo maior artilheiro de toda a história do Calcio. II Capitano e a torcida da Roma sabem: quando o amor é verdadeiro, é preciso abrir mão de algumas coisas.

(Foto: BBC)
Dennis Bergkamp
O “Homem de Gelo” é outro que precisou se contentar apenas com a antiga Copa da Uefa durante a carreira. Principal jogador do Ajax na virada da década de 80 para 90, saiu em 1993, dois anos antes do time holandês levar a Champions de 1995 com a geração dos irmãos De Boer, de Seedorf e Litmanen, acabando com uma fila que durava 20 anos. Rumou para a Inter de Milão, que acumulava um jejum ainda maior: 30 anos. 

Bergkamp venceu a segunda Copa da UEFA da carreira (a primeira foi pelo Ajax, 1991/1992), mas não brilhou. Voltou a ser ídolo no Arsenal a partir de 1995, onde foi campeão inglês invicto em 2003-04, ganhou quatro Copas da Inglaterra, fez um dos gols mais bonitos de todos os tempos contra o Newcastle em 2002, mas não foi capaz de dar ao time londrino a primeira LC da sua história. Quando quase chegou lá, em 2006, nem entrou em campo na final contra o Barcelona. Coincidentemente, Bergkamp encerrou a carreira logo após o fim daquela temporada.  

(Foto: The Guardian)
Éric Cantona
Quando dizem que o mito francês encerrou a carreira cedo demais não se referem apenas a sua idade em 1997 (aos 30 anos, o jogador resolveu largar tudo após saber que não jogaria a Copa do Mundo do ano seguinte. Despediu-se do futebol e do Manchester United e foi pintar uns quadros em Barcelona). Eles também estão falando da Liga dos Campeões de 1999, conquistada pelo United. 

A não ser Alex Ferguson, nenhum outro personagem foi tão importante na história de reconstrução do clube nos anos 90. Depois que Cantona chegou, os diabos faturaram quatro títulos nacionais, duas Copas da Inglaterra e ainda duas Supercopas. “L’Enfant Terrible” merecia demais estar ao menos no elenco que tirou o clube de uma fila de 30 anos com a virada espetacular sobre o Bayern nos últimos minutos da final no Camp Nou. A decepção é tão grande que fez o durão confessar no livro “Glory Glory!”, de Andy Mitten: “Quando você vê seus ex-times ganhando, dá vontade de estar lá. Eu estava feliz com a minha família, mas queria ter jogado a final, é claro“.

Rafael Monteiro tem 22 anos, é estudante de jornalismo e trabalha no R7. Também é um dos colaboradores do Fuerte Bomba.


Por alguma brecha, o futebol pode ser visto pelo olhar filosófico (que eu não tenho). Nelson Rodrigues dizia que o pior cego em futebol é o que vê só a bola. Ele, míope quase cego, via muito mais do que eu, que digo que feliz mesmo na vida é o sujeito que leva a bandeira do time para o caixão. E nós seguimos filosofando, pois é o que a sociedade faz quando não tem resposta. No fundo, você, eu e quem mais chegar na mesa sabemos que a única resposta válida no futebol é o gol“. 

No twitter, @r_afaelmonteiro.


5 pensamentos em “5 lendas do futebol que nunca ganharam a Liga dos Campeões”

  1. Não é questão clubistica não. Totti não é lenda. É um grande jogador no Campeonato Italiano. Até na Copa ele não foi importante para o título da Itália.

    Maradona poderia ter entrado na lista, hein?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *